Esporte

As academias que forjaram alguns dos destaques nos Jogos de Londres

Espaços na cidade que prepararam atletas medalhistas como os pugilistas Esquiva e Yamaguchi Falcão e o ginasta Arthur Zanetti

Por: Nathalia Zaccaro

academia abre esporte 2283
O técnico Cláudio Aires e o boxeador Michel Borges no clube Santo Amaro: esperança para 2016 (Foto: Fernando Moraes)
No dia 12 de julho, quando embarcaram para Londres com a delegação brasileira, os pugilistas Esquiva e Yamaguchi Falcão eram apenas rostos desconhecidos em meio a astros como Neymar e Cesar Cielo. + Dicas para começar a correr Um mês e duas medalhas depois, os irmãos exibem novo status: na segunda (13), desembarcaram no Rio de Janeiro, em meio a autoridades, do avião que trouxe a bandeira olímpica oficial ao país e, no dia seguinte, posaram para fotos ao lado da presidente Dilma Rousseff em Brasília. “Agora eles são celebridades. Viraram amigos até do Pelé”, brinca o técnico Cláudio Aires. Antes disso, a dupla quase não se afastava de um acanhado ginásio na Zona Sul de São Paulo. Foi no Clube Escola Santo Amaro que os capixabas passaram os últimos quatro anos suando por trinta horas semanais para apurar a agilidade que rendeu uma prata e um bronze ao Brasil. Fabio Teixeira/Futura Press/AE
Esquiva e Yamaguchi Falcão Academia Esporte 2283
Os irmãos Esquiva e Yamaguchi Falcão: prata e bronze criados em um ginásio na Zona Sul (Foto: FABIO TEIXEIRA/FUTURA PRESS/AE)
Os irmãos Esquiva e Yamaguchi Falcão: prata e bronze criados em um ginásio na Zona Sul Fundado na década de 70, o espaço oferece gratuitamente diversas atividades para os moradores da região e, em 2008, passou a sediar também o centro de treinamento da Confederação Brasileira de Boxe. “Além de apoiar nossos atletas, damos oportunidade a 120 crianças e adolescentes para praticar o esporte”, conta Aires. A poucos quarteirões, três casas servem de alojamento para eles. + Saiba onde treinar modalidades olímpicas pouco conhecidas O carioca Michel Borges, de 21 anos, divide uma com Esquiva e outros dez rapazes. “Ver um camarada brilhando na Inglaterra me deu a certeza de que posso vencer também”, diz ele, esperança de medalha para a Rio-2016 na categoria até 81 quilos. + Treinar ouvindo música ajuda ou atrapalha? Apesar dos bons resultados recentes, o Santo Amaro não oferece todo o suporte necessário e atualmente conta apenas com um ringue e poucos aparelhos de musculação. Faltam equipamentos básicos, como o saco de parede e a punching ball (a popular “pera”, para treinar sequências de golpes rápidos). Fernando Moraes
Academia Esporte 2283
A promessa Johnny Massahiro, de 15 anos, e o técnico Hugo Lopes, na Agith: aumento na procura (Foto: Fernando Moraes)
A promessa Johnny Massahiro, de 15 anos, e o técnico Hugo Lopes, na Agith: aumento na procura A exemplo do que ocorreu com a entidade na Zona Sul, outros locais da cidade e da Grande São Paulo ganharam destaque graças aos resultados obtidos por seus pupilos na Olimpíada. No município de São Caetano do Sul, o ginasta Arthur Zanetti preparou-se para conquistar o ouro nas argolas. + Pesquisa revela hábitos dos paulistanos na prática de esportes O local onde aprimora sua habilidade é a academia Agith, que parou no dia da prova. “Foi uma choradeira quando ele se tornou campeão”, diz a coordenadora de ginástica artística, Salete Meneguello, que acompanha o atleta desde os 7 anos. “Recebi um convite para me mudar para o Rio de Janeiro, mas preferi ficar perto de quem me apoiou desde o início”, explica Zanetti. Flávio Florido/UOL/Folhapress
Arthur Zanetti Academia Esporte 2283
O ginasta Arthur Zanetti, ouro nas argolas: opção por permanecer em São Caetano do Sul (Foto: FLÁVIO FLORIDO/UOL/FOLHAPRESS)
O ginasta Arthur Zanetti, ouro nas argolas: opção por permanecer em São Caetano do Sul Os pódios dos irmãos Falcão e de Zanetti são apenas três dos 21 conquistados por profissionais radicados em São Paulo — o equivalente a 35% das premiações distribuídas aos brasileiros na Olimpíada. + Pinheiros lidera o ranking de atletas nos Jogos de Londres O Clube Pinheiros faturou o bronze com o judoca Rafael Silva na categoria acima de 100 quilos. A seleção feminina de vôlei, bicampeã olímpica, tem sete integrantes atuando por aqui. Na prata do masculino, Murilo e Serginho, do Sesi, são dois outros exemplos. Com cinco pódios olímpicos na carreira, incluindo o recente bronze, o velejador Robert Scheidt começou no Yacht Club Santo Amaro, na Represa de Guarapiranga, e, apesar de morar atualmente na Itália, continua vinculado à entidade como atleta.  
medalha Esporte 2283
medalha Esporte 2283 (Foto: Veja São Paulo)
  HERÓIS CASEIROSOs radicados em São Paulo que foram ao pódio em Londres Boxe Esquiva Falcão (prata) e Yamaguchi Falcão (bronze) Futebol Bruno Uvini e Lucas Silva (prata) Ginástica Arthur Zanetti (ouro) Judô Rafael Silva (bronze) Natação Thiago Pereira (prata) e Cesar Cielo (bronze) Vôlei masculino Murilo Endres, Rodrigo Santana, Sérgio Santos e Sidney dos Santos (prata) Vôlei feminino Adenizia Silva, Danielle Lins, Fernanda Garay, Jaqueline Carvalho, Sheilla Castro, Tandara Caixeta e Thaisa Menezes (ouro) Vela Robert Scheidt e Bruno Prada (bronze)

Fonte: VEJA SÃO PAULO