Balada

A volta dos anos 90 na noite paulistana

Festas fazem sucesso retirando da tumba o melhor (e o pior) da década

Por: Ricky Hiraoka

megazord_004
Os DJs Guip e Legítimo,da Megazord: pop no Baixo Augusta (Foto: Fernando Moraes)

A fila andou na onda de emprestar ares descolados a antigos hits e modismos de gosto duvidoso. Baladas onde se vê gente imitando passinhos das Spice Girls ou fazendo coreografias no estilo boquinha da garrafa ao som do É o Tchan não deixam dúvidas: os anos 90 estão de volta no circuito boêmio da cidade, na programação regular de algumas casas ou em festas temáticas. Nas próximas semanas, estão programadas três grandes noitadas do gênero na capital (veja no quadro abaixo). Uma delas ocorrerá no Inferno Club, reduto de roqueiros no Baixo Augusta que foi um dos primeiros a investir no revival. Dedicado a grupos como o Nirvana e outros ícones do pancadão da geração nascida nas garagens de Seattle, nos Estados Unidos, o projeto Gás Total começou timidamente em 2010. A festa engrenou para valer de uns tempos para cá. Nos últimos quatro meses, aumentou em 80% o número de frequentadores do endereço. Com isso, ele passou a atrair cerca de 600 pessoas por dia. O sucesso gerou até um filhote, a Megazord, cuja estreia ocorreu em janeiro. Ela tem uma pegada mais pop, animada por um repertório que vai de Cheiro de Amor à boy band Backstreet Boys.

+ Leia mais sobre as baladas paulistanas

Outra pioneira nesse circuito, a Tiger Robocop — o nome é uma referência a um golpe do jogo Street Fighter — mantém fãs desde 2011, apesar de já ter mudado sete vezes de sede. Atualmente, leva 700 festeiros por mês ao Lab Club, também na Rua Augusta. “Tocamos Mamonas Assassinas e Rage Against the Machine”, diz o promoter Denis Romano. “Com um set list variado, ninguém enjoa.”

Os ecos do passado não ficam restritos à trilha sonora. Decoração e brindes estão entre os atrativos adicionais. A Turn Around + Pulp Fiction, que recebe 500 clientes por mês na Casa 92, em Pinheiros, oferece pirulitos Dip n’Lik e outros doces trash que fizeram parte da infância de quem tem mais de 30 anos. Nas paredes, há projeções de filmes de Quentin Tarantino. “Meus amigos e eu sentíamos falta de ouvir as bandas de nossa adolescência”, afirma Rafael Augusto, um de seus idealizadores. “Aqui, cantamos a noite inteira. É quase um karaokê.”

Calendário da badalação

As datas e os locais das principais festas

› Turn Around + Pulp Fiction

Quando: 20 de fevereiro

Onde: Casa 92

Preço: 40 reais

Tiger Robocop

Quando: 28 de fevereiro

Onde: Lab Club

Preço: 25 reais

Megazord

Quando: 6 de março

Onde: Inferno Club

Preço: 25 reais

Fonte: VEJA SÃO PAULO