Carreira

A rotina dos fotógrafos que cobrem grandes shows em São Paulo

Com o calendário cada vez mais cheio, profissionais especializados afirmam nunca ter trabalhado tanto

Por: Juliana Borges - Atualizado em

Maria Gadú
Retrato de Maria Gadú, por Marcos Hermes (Foto: Marcos Hermes)

Paul McCartney, Justin Bieber, Red Hot Chili Peppers, Ben Harper, Britney Spears... Fazer uma lista dos principais artistas internacionais que passaram recentemente pelos palcos da cidade sem deixar alguém importante para trás não é tarefa fácil. Do pop ao heavy metal, do sertanejo ao rock, dos megafestivais aos clubes underground, a agenda de shows na capital nunca foi tão vasta como em 2011. Sorte não só do público, mas também de um grupo seleto de fotógrafos especializados na cobertura desses grandes espetáculos. “Nunca tivemos tanto trabalho quanto neste ano”, diz o carioca Marcos Hermes, um dos principais nomes desse mercado. Radicado em São Paulo desde 1999, ele mantém um estúdio no bairro do Campo Belo e está sempre a postos para registrar o que de mais interessante acontece nos palcos e nos bastidores.

+ Sónar SP: Björk e Justice serão atrações

+ Tudo sobre o Lollapalooza

A exemplo de outros requisitados profissionais da área, como o baiano Rafael Kent e a paulista Caroline Bittencourt, Hermes trabalha sempre muito próximo dos principais ídolos — em cima do palco, no camarim ou na área vip —, esmerando-se para registrar grandes momentos das performances e flagrantes das reações do público. Mesmo numa época em que as maiores apresentações são transmitidas ao vivo para a plateia em telões de alta definição, os fotógrafos conseguem imagens raras, curiosas e emocionantes. Hermes, que acompanhou o show de Amy Winehouse por aqui no ano passado, guarda com carinho um registro que fez da cantora tomando vinho durante um espetáculo realizado há três anos em Madri, na Espanha (abaixo). “Como ela tinha fama de doidona, cada vez que pegava um copo estouravam dezenas de cliques.”

Amy Winehouse
Show de Amy Winehouse em Madri (Foto: Marcos Hermes)

Além de cobrirem apresentações, os profissionais são muito requisitados para produzir capas de CD e DVD. Caroline Bittencourt, de 34 anos, começou a acompanhar o mundo musical em 2001, quando trabalhou para um site que fazia a cobertura de shows. Nesse período, fotografava em média três apresentações por semana. Hoje, atua principalmente produzindo imagens para álbuns de bandas. “Tenho mais tempo para criar e refletir sobre as composições”, diz ela, que utiliza apenas câmeras analógicas e usa filmes os mais variados — preto e branco, cromo e até rolos vencidos. Caroline acompanhou toda a trajetória do grupo Los Hermanos, desde os tempos do hit Anna Júlia. Adriana Calcanhotto, Sérgio Reis, Orquestra Imperial e Marcelo Camelo estão na lista de trabalhos recentes.

+ Avenida Paulista comemora 120 anos

+ Confira dos shows que vão rolar na capital

Outro nome emergente no cenário é o baiano Rafael Kent, de 31 anos. Ele chegou a São Paulo em 2004 para trabalhar como designer gráfico, mas acabou se tornando produtor de novas bandas de rock, caso dos conterrâneos do Vivendo do Ócio. “Trabalhava praticamente de graça”, lembra. Aos poucos, foi entrando no circuito e caiu nas graças de estrelas como Max de Castro, Simoninha, Seu Jorge e Jota Quest. Atualmente, não apenas registra as ações de alguns dos grandes nomes do pop nacional como também acompanha turnês internacionais. No seu currículo estão os shows do Iron Maiden, Jack Johnson e AC/DC.

Donavon
Donavon (Foto: Rafael Kent)

Por trás do glamour da profissão, há uma rotina estressante. Jornadas que vão madrugada adentro, os ombros sempre carregados de pesados equipamentos e, muitas vezes, pouquíssimo espaço e tempo para clicar. “Não é uma rotina para qualquer um”, diz Ariel Martini, figurinha carimbada em casas de shows como Studio SP e Sesc Pompeia. Nas maiores apresentações, os craques das lentes ficam empoleirados num espaço minúsculo, normalmente atrás da mesa de som ou num fosso entre o palco e o público. Em geral, podem registrar apenas as três primeiras músicas dos shows. Algumas vedetes fazem exigências ainda mais duras. Beyoncé, por exemplo, só se deixou ser fotografada durante noventa segundos. Já o ex-beatle Paul McCartney permitiu a presença de somente dez fotógrafos no palco — durante três minutos. Hermes estava entre eles. “Foi muita responsabilidade, não podia errar”, lembra. “Felizmente, deu tudo certo.”

+ Venda de ingressos para ver Chico Buarque começa no domingo (11)

Seu Jorge
Show de Seu Jorge, registrado por Kent (Foto: Rafael Kent)

 

Marcos Hermes
Marcos Hermes (Foto: Fernando Moraes)

MARCOS HERMES, 37 anos

■ Natural de: Rio de Janeiro, RJ

■ Tempo de profissão: 21 anos

■ Os principais shows que cobriu na carreira: Paul McCartney, Iggy Pop, Amy Winehouse e Red Hot Chili Peppers

 

Fernando Moares
Rafael Kent
Rafael Kent (Foto: Fernando Moraes)
  RAFAEL KENT, 31 anos

■ Natural de: Salvador, BA

■ Tempo de profissão: quatro anos

■ Principais shows que cobriu na carreira: Metallica, Iron Maiden, The Strokes e AC/DC

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO