Mistérios da Cidade

A queda do imperador Adriano

Jogador deixa o Parque São Jorge após um ano de baixo rendimento

Por: Mauricio Xavier [com reportagem de Flora Monteiro e Juliana Borges] - Atualizado em

Adriano - Mistérios da Cidade 2261
Em um ano, o atacante Adriano marcou apenas dois gols pelo Corinthians (Foto: Miguel Schincariol)

O atacante Adriano deixou o Corinthians na última semana com o melancólico saldo de dois gols marcados no período de um ano. Um deles saiu no 1 a 0 sobre o Botafogo-SP, no último dia 25, pelo Paulistão. O outro foi anotado na virada por 2 a 1 sobre o Atlético-MG, na antepenúltima rodada do Brasileirão, em 2011. O Imperador abocanhava um salário mensal de 380.000 reais e seu contrato iria até junho. Veja outros jogadores que chegaram carregados de muita expectativa ao Parque São Jorge, mas estiveram longe de render o esperado pela torcida:

+ Corinthians: como tudo começou

+ "Corinthians: eternamente no meu coração", por Casagrande

 

Garrincha

Garrincha - Mistérios da Cidade 2261
(Foto: Divulgação)

Sua estreia em 1966 quebrou o recorde de renda do Pacaembu na época, mas a derrota por 3 a 0 para o Vasco, pelo Rio-São Paulo, já prenunciava a decepção: com lesão crônica no joelho, disputou apenas treze partidas.

Paulo Cézar Caju

Paulo Cézar Caju - Mistérios da Cidade 2261
(Foto: Sebastião Marinho)

Contratação sonhada pelo Timão desde o início dos anos 70 e concretizada em 1981, o habilidoso meia-atacante só jogou quatro partidas em um ano de fraca campanha da equipe.

Túlio

Túlio - Mistérios da Cidade 2261
(Foto: Alexandre Battibugli)

Uma parceria com o Banco Excel em 1997 viabilizou a contratação do artilheiro, destaque do título nacional do Botafogo, dois anos antes. Mas ele terminou o Paulistão na reserva e foi embora antes do início do Campeonato Brasileiro.

Defederico

Defederico - Mistérios da Cidade 2261
(Foto: Renato Pizzuto)

Badalado reforço vindo do argentino Huracán, chegou em 2009 com o apelido de “novo Messi”, mas nunca correspondeu à expectativa inicial e foi emprestado ao Independiente

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO