Cinema

'À Prova de Morte' é uma homenagem de Tarantino às produções baratas

Após ter baixa bilheteria, filme foi jogado no limbo e reestreia agora com nova distribuidora

Por: Alex Xavier - Atualizado em

à prova de morte - 2172
Stuntman Mike (Kurt Russell): serial killer com visual retrô e carrão mortal (Foto: Divulgação)

Em 2007, os cineastas Quentin Tarantino (‘Kill Bill’) e Robert Rodriguez (‘Sin City’) se juntaram num projeto chamado Grindhouse e rodaram dois filmes para exibição conjunta. No mercado internacional, cada um lançou o seu separadamente. Aqui, após passarem na Mostra Internacional de Cinema daquele ano, só estreou a comédia de zumbis ‘Planeta Terror’, de Rodriguez. Por causa da baixa bilheteria dessa fita, À Prova de Morte, de Tarantino, foi jogado no limbo. No dia 16, com nova distribuidora, a produção finalmente entra em cartaz na cidade. Os mais impacientes já podem vê-la no Reserva Cultural às 20 horas de quinta (8), dentro do festival SP Terror, e em pré-estreias no Cidade Jardim e no Iguatemi.

Trata-se de uma divertida homenagem aos filmes B, em especial aqueles de grandes perseguições automobilísticas, como ‘Corrida da Morte — Ano 2000’ (1975). Personagem central, o ex-dublê Stuntman Mike (Kurt Russell, propositadamente canastrão) tem um fraco por moças festeiras. A princípio, parece apenas um sujeito excêntrico, quase patético com sua jaqueta customizada e o topete retrô. Mas logo se revela um assassino cínico, cuja arma mortal é o potente carro, preparado para resistir a qualquer tipo de colisão.

O filme divide-se em duas partes, de tramas semelhantes, mas tons distintos. Na primeira, prevalece o suspense, enquanto Mike e seu Chevy Nova modelo 1970 rondam quatro amigas que param para beber em um bar no meio da noite. A ação toma conta da segunda etapa, quando o psicopata, em um Dodge Charger de 1969, cruza o caminho de outras quatro jovens em uma estrada empoeirada. Tarantino mostra novamente maestria em alternar gêneros. Também dispara sua habitual metralhadora de referências — cinéfilas e musicais, com direito a piadas internas que vão deliciar os fãs do diretor. ‘À Prova de Morte’ não chega ao nível de ‘Bastardos Inglórios’, mas, neste caso, antes de produzir uma obra-prima, a ambição era fazer um bom filme ruim.

AVALIAÇÃO ✪✪✪

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO