Restaurantes

A Peixaria prepara pescados escolhidos pelo cliente

Na entrada fica uma loja de frutos do mar que funciona como um cardápio in natura

Por: Arnaldo Lorençato - Atualizado em

A Peixaria
Ivan dos Santos: responsável pela gôndola refrigerada (Foto: Mario Rodrigues)

Aberto em fevereiro num dos pedaços mais movimentados de Moema, A Peixaria está longe de ser um restaurante convencional. Na entrada fica uma loja de pescados, que tem a função de cardápio in natura com um cheiro de maresia. O cliente pode selecionar ali mesmo os peixes e frutos do mar de sua preferência e solicitá-los ao peixeiro Ivan dos Santos. Em seguida, a matéria-prima vai direto para a cozinha. Nas mãos do jovem chef Cauê Tessuto, de 27 anos — ex-integrante da equipe do espanhol Kokotxa, uma estrela no Guia Michelin —, transforma-se em pratos simples, nos quais se reconhece o sabor de cada ingrediente.  

+ Veja o cardápio completo da Peixaria

Logo na chegada, garçons atenciosos explicam em detalhes o sucinto menu, cujos pratos principais são cobrados pelo peso dos pescados escolhidos. Depois, é servido o couvert gratuito, composto de pão, flor de sal, azeite, manteiga e um escabeche do dia. Das sugestões, não pode ser mais apetitoso o misto de lagosta-sapateira, camarão, vieira, lula, mexilhão e robalo (R$ 80,00 em média). Também agrada a pescada-branca inteira (R$ 28,00 em média).

A Peixaria
Misto de frutos do mar: o preço depende do peso (Foto: Mario Rodrigues)

Na última visita, realizada em 20 de setembro, nem tudo deu certo. O filé de pescada-cambucu (R$ 30,00 em média), por exemplo, estava muito salgado. De guarnições, vão bem o purê de mandioquinha coroado com mini-hortaliças e o arroz tipo bomba cozido no caldo de peixe com verduras (R$ 17,00 cada um).

+ Almoço executivo por até R$ 50,00

+ Especialidades árabes em sistema de rodízio

+ Aprenda a receita do prato mais pedido no Chef Vivi

Os acertos aparecem ainda em beliscos como a deliciosa casquinha de caranguejo gigante do Chile (R$ 12,00) e os camarões ao alho e pimenta-caiena (R$ 37,00), de jeitão praiano. Para acompanhamento, desarrolhe o uruguaio Catamayor Reserva Sauvignon Blanc 2010 (R$ 78,00).  

Sem culpa, pule o capítulo dedicado às sobremesas. Das três oferecidas no cardápio, duas foram provadas: o creme brûlé de laranja quase líquido e o massudo bolo de banana e nozes junto da musse de chocolate e sorvete de caramelo (R$ 17,00 cada um). Arremate com o café expresso Treviolo (R$ 3,50).  

COMIDA ✪✪✪ | AMBIENTE ✪✪ | SERVIÇO ✪✪✪

Fonte: VEJA SÃO PAULO