Consumo

A multiplicação das cervejas especiais

Existem hoje nos bares, restaurantes, supermercados e lojas especializadas da cidade 550 rótulos da bebida

Por: Nathalia Zaccaro e Mauricio Xavier - Atualizado em

Capa 2267- Consumo - Multiplicação das Cervejas
Empório Alto dos Pinheiros: o difícil é escolher uma delas (Foto: Mario Rodrigues)

Um desavisado que confere as ofertas de cerveja em São Paulo nos dias de hoje pode até achar que tomou umas a mais. A loura (e às vezes ruiva, morena...) deixou de ser ofertada em apenas meia dúzia de formatos e se multiplicou em centenas de versões. Esse fenômeno vem sendo fermentado pela proliferação de pequenas produtoras nacionais e pela abertura cada vez maior do setor às novidades importadas. A combinação de tantas forças etílicas inundou a cidade com opções premium da bebida. Elas são conhecidas pelos preços mais salgados (a partir de 12 reais por litro) e por trazer uma enorme variedade de receitas (já ouviu falar de algumas que incluem mel ou pimenta na fórmula?). Das 550 disponíveis atualmente na metrópole, 200 desembarcaram por aqui em 2011. No ano passado, os paulistanos saborearam 8,6 milhões de litros de cervejas especiais, mais que o dobro do total registrado em 2010.

+ Dez lugares para beber cerveja

+ Um copo para cada estilo de cerveja

+ Como harmonizar cerveja com comida de boteco

+ Guia das cervejas premium

Embora tenha ainda um tamanho modesto (2,2% do total), o segmento dos rótulos especiais cresce num ritmo acima da média e sedimentou entre os consumidores o prazer de redescobrir o irresistível líquido. Há outras boas novidades, como duas grandes feiras especializadas (Brasil Brau e Beer Experience) e quatro clubes por assinatura que surgiram na cidade. Nesses serviços, os sócios pagam uma taxa mensal entre 40 e 100 reais para ter o direito de receber em casa algumas garrafas e latinhas. Nas páginas a seguir, VEJA SÃO PAULO preparou, com a ajuda de especialistas, um guia com o que há de melhor para apreciar nesse universo de delícias recém-chegadas ao nosso mercado.

Fonte: VEJA SÃO PAULO