Noite

A Gambiarra, balada que reúne gente ligada ao teatro, faz sucesso no centro

Não é raro encontrar grandes nomes do meio artístico entre uma música e outra

Por: Filipe Vilicic - Atualizado em

A balada domingueira Gambiarra, no centro, é o paraíso para tietes. Entre uma música e outra, esbarra-se em celebridades do gabarito de Rodrigo Santoro, Danton Mello, Luana Piovani, Priscila Fantin e Juliana Knust. Como não há uma ala vip, esses famosos costumam pagar entrada (10 reais), pegar fila e se misturar à galera, disputando cada pedaço da sempre lotada pista. No último dia 19, por exemplo, quem estava lá era o ator Reynaldo Gianecchini, que dançou até altas horas. "Aqui me sinto à vontade", disse o galã. "A música tem qualidade, o pessoal é legal e ainda não há paparazzi." Vilões das celebridades, esses fotógrafos são proibidos de entrar. "Barro-os na entrada", garante o jornalista Tuca Notarnicola, assessor de imprensa de diversos atores e um dos idealizadores da festa. "Se ficam plantados na porta esperando um famoso sair, dou um jeito de driblá-los."

Criada por seis amigos, todos ligados ao teatro, a Gambiarra estreou em março deste ano. Logo se transformou numa das festas mais movimentadas da cidade. "A idéia inicial era reunir colegas que não podem sair às sextas e aos sábados, porque trabalham", conta a atriz Anna Cecília Junqueira, uma das organizadoras. Como boa parte dos artistas folga às segundas-feiras, o domingo é o dia ideal para cair na farra. Invariavelmente, a noitada passa das 7 da manhã. O que começou como uma reuniãozinha despretensiosa tomou proporções bem maiores. Nos primeiros dias, a Gambiarra atraía cerca de 200 pessoas. Um mês e meio depois, passou para 700. Hoje, ultrapassa 1 000. Na base da divulgação boca a boca, universitários, estudantes de teatro, profissionais liberais e uma leva de tietes viraram freqüentadores assíduos.

Foi necessário arrumar mais espaço para acomodar tanta gente. Além dos dois ambientes iniciais: a pista principal e um mezanino, foram abertos um restaurante, um bar, um lounge e uma segunda pista. Com isso, a lotação máxima passou de 600 para 1 300 pessoas. Em janeiro do ano que vem, os organizadores pretendem inflar ainda mais esse número anexando parte do vizinho Hotel Cambridge. Assim, a Gambiarra comportaria mais 700 festeiros em três novos espaços. Tamanho sucesso preocupa alguns habitués. "Está cada vez mais difícil dançar", diz a produtora teatral Tatiana Marinho, que bate cartão ali desde abril. "Não imaginávamos esse crescimento", afirma Anna. "Mas para manter o clima intimista impediremos a entrada tão logo a pista fique cheia demais."

Gambiarra. Rua João Adolfo, 126, centro. Informações, ( 3104-9103 e 3101-2537. Domingos, a partir das 22h. R$ 5,00 (antes das 23h) e R$ 10,00. http://gambiarra.afesta.nafoto.net.

Fonte: VEJA SÃO PAULO