Abastecimento

A água de sua casa está com gosto estranho? A Sabesp explica o motivo

Diferenças nos níveis de sais e elementos químicos entre os mananciais que servem a capital seriam os causadores da mudança de sabor

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Torneira - água
Paulistanos passaram a reclamar do gosto e do cheiro da água que sai das torneiras (Foto: Latinstock)

Como se não bastasse o aumento dos casos de torneiras secas em determinadas regiões da capital por períodos do dia e o receio de que a crise de abastecimento possa se ampliar nas próximas semanas, os paulistanos também estão notando um gosto diferente na água que tomam em casa ou no trabalho.

Muitos reclamam que o sabor "piorou" nos últimos tempos e levantam a hipótese de que o líquido esteja impróprio para o consumo. Na primeira afirmação, isso pode ser verdade, rebatendo a antiga máxima escolar de que "a água é insípida, inodora e incolor".

+ Quem é Sandra, a namorada de Suzane Richthofen na cadeia

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) reconhece que as variações de gosto, cor e odor são comuns por causa das características naturais dos mananciais. Cada um deles possui níveis diferentes de sais e elementos químicos diluídos, que interferem no aspecto e no paladar.

Ocorre que, com a crise hídrica, algumas regiões da capital passaram a ser abastecidas por outros sistemas produtores, com o objetivo de ajudar na preservação das represas em situação mais crítica. Ou seja, quem bebia a água do Cantareira, agora pode estar consumindo a do Guarapiranga. Viria daí a estranheza com o "sabor novo".

+ Franquias de lavagem de carro a seco exigem baixo investimento

A Sabesp garante que, a despeito dessas variações, a água distribuída é potável. São realizadas análises regulares, tanto na captação, quanto nos pontos de consumo, em dezesseis centrais de controle sanitário na região metropolitana.

A companhia também mantém uma curiosa equipe de "degustadores", que prova o líquido de diferentes estações de tratamento para detectar anormalidades de sabor, aroma e densidade.

Fonte: VEJA SÃO PAULO