Internet

8 anos de Facebook

Rede social criada por Mark Zuckerberg faz aniversário e já é a mais popular entre os brasileiros

Por: Leonam Bernardo - Atualizado em

Facebook
Um mundo conectado: Facebook soma 700 milhões de usuários em todo o planeta (Foto: Reprodução)

Quando o Orkut foi criado, em 24 janeiro de 2004, possivelmente Mark Zuckerberg e seu grupo de amigos arrematavam os últimos ajustes para colocar no ar o TheFacebook (sim, naquela época havia o “The” no nome). De fato, alguns dias depois, em 4 de fevereiro daquele mesmo ano, seu site estava no ar, restrito aos alunos convidados da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

+ Curta a página de VEJA SÃO PAULO no Facebook

Mal sabia Zuckerberg que, com o passar do tempo, ambas as redes sociais fariam tanto sucesso — em territórios distintos — ao redor do mundo. Enquanto o Facebook logo se popularizou pelos EUA e pela Europa, o Orkut arrebanhou usuários principalmente em países como Índia e Brasil.

+ Siga a VEJA SÃO PAULO no Twitter

Oito anos depois da criação dos dois sites, no entanto, é Zuckerberg quem tem mais motivos para comemorar. O 8º aniversário do Facebook é celebrado, neste sábado (4), com a contabilização de mais de 700 milhões de usuários em todo o planeta e, finalmente, pela conquista da liderança como a rede social preferida dos brasileiros — são 30 milhões de adeptos no país.

Embora na essência o Facebook seja o mesmo desde sua criação, inúmeras atualizações e novidades foram introduzidas no serviço ao longo desses oito anos. A última delas foi uma completa reformulação nas páginas de perfis dos usuários, transformando-as em linhas do tempo que permitem a inclusão de fatos e eventos desde o nosso nascimento até os dias atuais.

Acesse abaixo curiosidades sobre o Facebook e outros conteúdos sobre redes sociais produzidos por VEJINHA.COM:

8 curiosidades sobre o Facebook

10 coisas irritantes que o Facebook herdou do Orkut

5 mudanças nas redes sociais que não deram certo

As 10 coisas mais irritantes do Facebook

As 10 redes sociais mais estranhas

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO