Passeios

30 programas para fazer no fim de semana sem por a mão no bolso

Programe sua folga com a nossa lista de atividades gratuitas na cidade

Por: Veja São Paulo

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Sem grana ou com vontade de economizar? Pois saiba que não é preciso ficar em casa no feriadão para não prejudicar o orçamento. Há uma série de atividades gratuitas na cidade que são garantia de diversão, entre exposições, shows, espetáculos e vários outros passeios.

Dez dicas de passeios para se sentir na Espanha

Confira a lista:

  • Nos mesmos moldes das exposições de ursos gigantes e dinossauros que já ocuparam os shoppings Anália Franco, Vila Olímpia e ParkShopping São Caetano, a mostra África Animais Selvagens reúne vinte réplicas de animais que se mexem. O destaque é o gorila de 4 metros de altura que apresenta um leve movimento nas mãos, mexe os olhos e emite sons. A garotada também vai ver leões, crocodilos, leopardos, lêmures, zebras e hipopótamos, entre outros, em uma ambientação que simula uma floresta. Completa a mostra a sala de cinema 7D (R$ 10,00), que exibe filmes com efeitos especiais sobre a África. As crianças de 2 a 12 anos têm ainda a chance de se divertir no dorso de um leão durante a visita (R$ 5,00). Até 24/5/2015.
    Saiba mais
  • Durante este mês, o MAM oferece atividades para toda a família curtir junto. No sábado (16), bebês com mais de 6 meses participam de uma oficina de dança e movimento. É preciso chegar com trinta minutos de antecedência para reservar as vagas. No domingo (17), é dia de soltar a imaginação e fazer nuvens de algodão. Dias 16 e 17/4/2016.
    Saiba mais
  • Parques

    Parque do Ibirapuera

    Avenida Pedro Álvares Cabral, s/n, Parque Ibirapuera

    Tel: (11) 5573 4180

    12 avaliações

    É o local ideal para passar uma tarde inteira, seja nos tranquilos dias de semana, seja aos sábados e domingos, quando se transforma em uma cidade de 300 000 pessoas. Entre as 160 espécies de animais registradas, há pica-paus, cisnes e patos. Na flora, exemplares de árvores como jaqueira e pau-brasil. Mas não é só isso que faz o parque ser imbatível. O local abriga cinco prédios com a assinatura de Oscar Niemeyer: o Pavilhão Cicillo Matarazzo (atual Pavilhão da Bienal de São Paulo), o Museu de Arte Contemporânea, o Museu Afro Brasil, a Oca, a Grande Marquise (onde está situado o Museu de Arte Moderna) e o Auditório Ibirapuera. O passeio se completa com visita ao curioso Pavilhão Japonês.

    Saiba mais
  • Parques

    Parque da Independência

    Avenida Nazaré, s/n, Ipiranga

    Tel: (11) 2273 7250

    2 avaliações
  • Parques

    Parque Villa-Lobos

    Avenida Professor Fonseca Rodrigues, 2001, Alto De Pinheiros

    Tel: (11) 2683 6302

    12 avaliações

    Ao circular entre os 30.000 frequentadores que lotam o espaço aos domingos, você verá gente se divertindo em versões exóticas de skate, como o longboard, com prancha de cerca de 2 metros de comprimento, e o kite, impulsionado por uma pipa. Esses e outros esportes diferentões já foram incorporados ao DNA do local, onde também é comum observar crianças dispensando os manjados bufês infantis para comemorar o aniversário com piqueniques e bexigas aos fins de semana. Na visita, fique atento ainda ao vistoso Orquidário Ruth Cardoso, que se tornou um cartão-postal do lugar desde sua construção, em 2010.

    Saiba mais
  • Construções históricas

    Casa de Vidro

    Rua General Almério De Moura, 200, Vila Tramontano

    Tel: (11) 3744 9902 ou (11) 3743 3875

    Sem avaliação

    Primeira construção da arquiteta ítalo-brasileira Lina Bo Bardi, de 1951, a Casa de Vidro abriga o acervo do casal Lina e Pietro Maria Bardi, constituído por obras de arte, móveis, documentos e objetos, além de 7 500 desenhos e 17 000 fotografias. O instituto flutua sobre quatro pilares e tem uma fachada de vidro em toda a sua extensão, e é, por isso, um marco da arquitetura modernista.

    Saiba mais
  • Depois do bem-sucedido A Madrinha Embriagada, o diretor Miguel Falabella engata este grandioso projeto no mesmo palco. Baseada no texto de Dale Wassermanom, com melodias de Mitch Leigh e letras de Joe Darion, a ação foi ambientada em um manicômio do fim da década de 30. Por lá, um paciente (interpretado por Cleto Baccic) apresenta-se como Miguel de Cervantes, poeta, ator e coletor de impostos, e interna-se na companhia do criado Sancho (Jorge Maya). Para minimizar a triste realidade, ele propõe aos internos e funcionários um mergulho na fantasia, e todos passam a fazer teatro. Eles descobrem a força do sonho como meio para suportar o cotidiano. Além do bom trabalho de Baccic e Maya, Sara Sarres sobressai na pele de Dulcineia e Guilherme Sant’Anna dá fôlego ao papel de Governador. Criativa e correta, a versão de Falabella tem grande capacidade de comunicação com a plateia a que se destina e a deixa de olhos cheios. Estreou em 13/9/2014. Até 28/6/2015. Em 1972: o musical teve uma célebre montagem protagonizada por Paulo Autran, Bibi Ferreira e Grande Otelo, com direção de Flávio Rangel.
    Saiba mais
  • Autor de obras de arte famosas como Mona Lisa e A Última Ceia, o italiano Leonardo da Vinci (1452-1519) também foi um grande inventor. Visionário, ele se inspirou na anatomia dos pássaros para desenhar máquinas voadoras, projetou veículos semelhantes a tanques de guerra e chegou a bolar um equipamento de mergulho capaz de permitir a respiração debaixo da água. Apesar da abundância de ideias, a maioria de suas engenhocas nunca saiu do papel. Até que, em 1952, quando foram comemorados os 500 anos de nascimento do artista, engenheiros do Museo Nazionale della Scienza e della Tecnologia Leonardo da Vinci de Milão, construíram protótipos baseados em seus rascunhos. Quarenta deles integram a mostra A Natureza da Invenção, além de dez peças interativas que podem ser manipuladas pelo público. De 11/11/2014. Até 10/5/2015. + Oito invenções que Leonardo da Vinci pensou antes de todo mundo
    Saiba mais
  • É preciso paciência para enfrentar as filas de Picasso e a Modernidade Espanhola, que podem durar até duas horas nos fins de semana. Mas, transposta essa primeira etapa, o passeio vale a pena. Telas do museu espanhol Reina Sofía, de Madri, integram a exposição no CCBB. Na seleção de noventa itens estão pinturas de artistas consagrados como Salvador Dalí, Joan Miró e, claro, o mestre cubista espanhol. É bom deixar avisado, no entanto, que não se trata de uma mostra dedicada apenas a Picasso. De sua autoria, há dez telas, entre elas O Pintor e a Modelo (1963) e Cabeça de Mulher (1910), além de desenhos e gravuras. Uma instalação e uma projeção em vídeo explicam o processo de criação de seu quadro mais famoso, Guernica (1937), junto a fotografias sobre a Guerra Civil Espanhola. A visita é uma boa oportunidade também para conhecer artistas menos óbvios do período, como Julio González, que explora o vazio para compor esculturas, e o surrealista Óscar Domínguez. Para os amantes da selfie, uma triste notícia: por questões de direitos autorais, é proibido fotografar as obras. O trajeto da exposição foi organizado para começar pelo quarto andar e tem fluxo único, ou seja, todos os visitantes têm que fazer o mesmo percurso. Para aliviar a espera do público, funcionários do educativo promovem atividades com quem estiver aguardando do lado de fora. Até a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) foi chamada para ajudar na organização das filas, já que alguns veículos circulam na região e a aglomeração de pessoas deve ser grande. Outros artistas modernistas espanhóis, como Juan Gris, Joan Miró, Salvador Dalí, também têm obras em cartaz. Dia 25/3/2015. Até 8/6/2015. +Oito motivos para ver a exposição do Picasso no CCBB +Marina Abramovic abre a temporada de grandes exposições do ano que incluem também Kandinsky, Picasso e Miró 
    Saiba mais
  • Museus

    Casa da Imagem (antiga Casa n°1)

    Rua Roberto Simonsen, 136, Sé

    Tel: (11) 3106 5122 ou (11) 3241 4238

    2 avaliações
  • A partir de sexta (1º), uma das maiores feiras de fitness do Brasil chega ao Mendes Convention Center, em Santos. O evento reúne na cidade profissionais de educação física, nutricionistas e esportistas. A estimativa é receber cerca de 80 000 visitantes durante três dias. No total, 100 expositores apresentam novos produtos e serviços como a Cool Towel, uma toalhinha que gela ao ser balançada. A programação deste ano contará com cerca de oitenta cursos nas áreas de fitness, ginástica, musculação, treinamento funcional, fisioterapia, atividades aquáticas, negócios, recreação e nutrição.
    Saiba mais
  • Dedicada a apresentar o que de mais interessante está sendo produzido nas ruas, a 3ª Bienal Internacional Graffti Fine Art surpreende pela caretice com que ocupa o espaço. Em vez de aproveitar as paredes e colunas do Pavilhão das Culturas Brasileiras, as obras são apoiadas em suportes semelhantes a telas e estão descontextualizadas da trajetória de cada artista. O resultado são painéis supercoloridos que ficam ótimos na foto (o ponto positivo da exposição), mas revelam pouco de cada autor – não há sequer plaquinhas de identificação. Um descuido, pois na ampla e boa seleção há nomes de diversos países, como o chileno Daniel Marceli e o japonês Atsuo Nakagawa. É difícil também entender por que as esculturas e instalações ficam isoladas do alcance do público, cercadas por fitas no chão que impedem a aproximação do visitante. Em resumo, a montagem não reproduz a paisagem urbana de onde nasceu o grafite, mais transgressora e inovadora. Salvam-se alguns trabalhos de traços marcantes, como os do pernambucano Derlon, que remetem às tradicionais xilogravuras, e os do paulista Arlin, cujas composições geométricas ganham velocidade com sua técnica. De 18/4/2015. Até 17/5/2015.
    Saiba mais
  • Formada na última década pelo banqueiro Olavo Setubal (1923-2008), a Coleção Brasiliana Itaú é composta de mais de 5 000 peças sobre a história do país. Para a mostra, 300 obras foram pinçadas pelo curador Pedro Corrêa do Lago, entre pinturas, aquarelas, desenhos, gravuras e livros. Vale destacar raridades como Panorama da Cidade de São Paulo (1821), de autoria do francês Pallière, primeiro óleo conhecido a representar a cidade antes da invenção da fotografia. Sobressaem ainda os suntuosos registros do casamento de dom Pedro I e dona Amélia (1829), por Jean Baptiste-Debret, e da assinatura da Lei Áurea (1888), por Victor Meireles. E há joias para enlouquecer bibliófilos, como o exemplar de Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, sombriamente ilustrado por Candido Portinari, e um caderno de gravuras de Lasar Segall com poemas de Mário de Andrade, Manuel Bandeira e Jorge de Lima. Até 2/5/2010.
    Saiba mais
  • Documentário cênico

    Dzi Croquettes
    VejaSP
    Sem avaliação
    Lançado em 2010, um documentário dirigido por Tatiana Issa e Raphael Alvarez trouxe de volta para a luz a irreverência de um grupo teatral formado por marmanjos de barba que, equilibrados no salto alto, desafiaram os militares nos anos 70. No embalo, o ator e coreógrafo Ciro Barcelos, um dos treze integrantes da formação original, criou e dirigiu o espetáculo batizado simplesmente de Dzi Croquettes, que vence a barreira cronológica e reproduz parte da essência provocativa da trupe. Claro, os tempos são outros. Os meninos de hoje não são tão peludos, muitos se depilam e é sabido que não causaria tanto espanto ver rapazes no palco de saia ou maquiagem pesada. Barcelos, então, recupera coreografias da época, como a embalada pelo bolero Dois pra Lá, Dois pra Cá, e insere textos contundentes contra a homofobia e a situação política do país. Surpresa no elenco de nove artistas, Bruno Gissoni, conhecido pelas novelas globais, funciona como o contraponto debochado em torno das polêmicas da diversidade sexual. O ponto alto é o número de flamenco protagonizado por Barcelos, que dosa técnica e ousadia e permite à plateia se sentir diante de uma montagem do Dzi Croquettes e não de um genérico. Com Rodolfo Goulart, Filipe Ribeiro, Rafael Leal, Paulo Victor Gandra, Julio Aracack, Rogério Nóbrega e Lucas Cândido. Estreou em 1/5/2015.
    Saiba mais
  • Em sua quinta edição, o projeto Dançographismus permite aos bailarinos da companhia aventurar-se no papel de coreógrafos. Cinco breves montagens serão apresentadas uma seguida da outra. De 1º a 11/12/2016.
    Saiba mais
  • Sério concorrente ao posto de maior pintor brasileiro da história, o italiano de nascimento (mudou-se para cá ainda bebê) tem um belo recorte da carreira reunido no Museu de Arte Contemporânea da USP. São apenas dezoito obras, todas pertencentes ao acervo do MAC. Embora compacto, o conjunto consegue sintetizar com perfeição a sua produção. Assinada pelo admirador Paulo Pasta, a curadoria tem as paisagens do início da trajetória como ponto de partida. Aos poucos, Alfredo Volpi (1896-1988) foi deixando a figuração de lado, e a transição entre juventude e maturidade pode ser observada em Casas na Praia, de 1952. Já aparece nessa têmpera o sofisticado domínio cromático da fase tardia, influenciada por fontes tão distintas quanto o modernista Matisse e o renascentista Giotto — em uma viagem à Itália, Volpi visitou mais de uma dezena de vezes a Capela dos Scrovegni, em Pádua, para apreciar os magníficos afrescos do mestre. As conhecidas fachadas e bandeirinhas também marcam presença. E há curiosidades, a exemplo de Carnaval Infantil de Cananeia e Barco da Morte, casos raros de uso de fundo preto em um trabalho do artista.
    Saiba mais
  • Lojas especializadas

    Galeria do Rock

    Rua Vinte E Quatro De Maio, 62, República

    7 avaliações

    No fim da década de 70, diversas lojas de disco começaram a se instalar no edifício ondulado, projetado pelo arquiteto Alfredo Mathias, e a atrair um público interessado no estilo musical que emprestou o nome ao centro comercial. Hoje, 450 estabelecimentos, entre estúdios de piercing e tatuagem, salões de beleza e butiques de roupas, vinis e CDs, disputam a atenção dos visitantes. Uma das paradas mais tradicionais é a Baratos Afins, no 2º andar.

    Saiba mais
  • O ano de 1972 marcou a despedida da Ternurinha, a musa que brilhava ao lado da dupla Roberto e Erasmo Carlos. Em seu lugar, surgiu uma Wanderléa muito mais independente. Saída da jovem guarda, ela lançou o original Wanderléa... Maravilhosa. O disco não estourou nas paradas na época, mas, com o passar do tempo, entrou para a categoria cult. Para marcar a mudança de repertório, ele trazia a artista com um black power e maquiagem carregaaada na sombra azul. Aos 69 anos, a cantora revisita agora, na íntegra, o repertório desse álbum. São faixas com ritmos mais brasileiros, como Back in Bahia, de Gilberto Gil, Eu Quero Ser Sua Locomotiva, de Jorge Mautner, e Mata-Me Depressa, de Rossini Pinto. Além das músicas de Maravilhosa, há espaço no show para interpretar composições como Que Besteira, de João Donato e Gilberto Gil. Ao lado de doze instrumentistas, ela mostra ainda marchinhas de Carnaval antigas e faixas dos seus trabalhos posteriores, Feito Gente (1975) e Vamos que Eu Já Vou (1977), reunidos na caixa comemorativa Wanderléa Anos 70, lançada em 2012. Dia 22/3/2016.
    Saiba mais
  • Construções históricas

    Mercado Municipal

    Rua Da Cantareira, 306, Luz

    Tel: (11) 3228 9332

    12 avaliações

    Aos 80 anos, o Mercado Municipal de São Paulo, ou Mercadão, como é conhecido, é um  dos edifícios mais emblemáticos da capital. Ao longo de décadas, passou de um espaço frequentado principalmente por donos de restaurantes a um ponto turístico movimentado. No mezanino, há bares e restaurantes de diversas nacionalidades. Prove o pastel de bacalhau do Hocca Bar e o sanduíche de mortadela com queijo do Bar do Mané.

    Saiba mais
  • Resenha por Jonas Lopes: Uma das mais cultuadas e influentes artistas performáticas do mundo, a sérvia apresenta nova individual no país. Back To Simplicity reúne registros de performances antigas e recentes em dez vídeos e treze fotografias. De 18/11/2010 a 29/01/2011.
    Saiba mais
  • O Centro Cultural Banco do Brasil exibe a 15ª edição da Mostra do Filme Livre. Serão projetadas mais de 200 fitas nacionais, sendo 35 longas e 50 filmes inéditos em São Paulo. Com intuito de valorizar o cinema independente brasileiro, a mostra exibe produções que têm como principal característica a narrativa livre, desprendida de regras de linguagem. Na programação ainda estão inclusos debates e oficinas de vídeo. Mais informações sobre os eventos e as sinopses dos filmes estão disponíveis no site www.mostralivre.com. De 16/3 a 7/4/2016. Confira a programação: Quarta, 16 de março Cinema 18h - Curta Sampa (60’): Do Portão pra Fora | 23 de Agosto | Hototogisu | Monica’s Fetish: Um Experimento em Vídeo-Sutura | Lúcida | O Real | Enjoy the Drama 19h30 - Panorama Livre 1 (61’): Je Proclame La Destruction | Subsolos | Auto Copa Park Quinta, 17 de março Auditório 14h - Cabine 1 – Rebecca Moure (9'): Noite, Outra | VIIII L’Hermite Cinema 16h - Panorama Livre 2 (82’): Rua Cuba | São Paulo com Daniel | Cinzas 18h30 - Pílulas (42’): Je Proclame La Destruction | Cidadão do Bem | Manipulação de Bananas | Trem | Arrudas | O Rio Doce Desaguou na Piscina de Inhotim | Lamamal | Liquid | Quatro e Fintchy | Soberania RJ | Hototogisu | Estudo Cromático | Panóptico | Monica’s Fetish: Um Experimento em Vídeo-Sutura | O Tédio | 3XDielman | Ratsrepus | Por um Fio | Wendigo 19h30 - Panorama Livre 3 (68’): Outubro Acabou | Cinemão | Lembranças de Mayo Sexta, 18 de março Auditório 14h - Cabine 2 – Nelton Pellenz (14’): A Fábrica | Atlântico Cinema 16h - Coisas Nossas (50’): Sonhos 1 | O Pássaro de Wolinski | Imhotep | O Homem que Virou Armário | O Último Homem na Europa | Sonhos 2 18h - Panorama Livre 4 (68’): A Festa e os Cães | Habitat | O Rosto da Mulher Endividada 19h30 - Mundo Livre - Louise Botkay (46’): Sugar Freeze | Mammah | Séve | Abre Caminhos | Estou Aqui Sábado, 19 de março Auditório 14h - Cabine 3 (13’): Habitat Cinema 11h - Mostrinha 1 (32’): Däniken | Bong! | Dinossauro Rex | Cabeça de Ovo: Festinha | Dislocation | A Menina e o Vento | Cine Adultério 15h - Sonora Funk (80’): Funk Brasil – 5 Visões do Batidão 17h - Panorama Livre 5 (60’): Uma Linha | Monstro | 20.000 | A Invenção da Noite | VIIII L’Hermite 19h - Biografemas 1 (43’): Chacal Palavra Filme | Chacal: Proibido Fazer Poesia Domingo, 20 de março Auditório 14h - Cabine 4 (6’): Eu Soup Cinema 11h - Mostrinha 2 (36’): Cabeça de Ovo: Tuba | Carrossel | Cabeça de Ovo: Corridinha | O Mar de Teresa | Cabeça de Ovo: Espinha | No Tempo das Formigas 15h - Sonora Sabotage (107’): Sabotage - Maestro do Canão 17h - Mudo Livre (68’): Escape from my Eyes | Parque Soviético | Indian Wells | Child World 19h - Panorama Livre 6 (77’): História de uma Pena | A Casa sem Separação | Carruagem Rajante Segunda, 21 de março Auditório 14h - Cabine 5 - Duo Strangloscope (17’): Parking Area | Child World | [Antikapitalistischen] Cinema 15h - Biografemas 2 (75’): 3xDielman | Mais do que Eu Possa me Reconhecer 18h - Biografemas 3 (88’): Ruby | Tudo Vai Ficar da Cor que Você Quiser 19h30 - Biografemas 4 (67’): Paolo Gregori: Tudo Sobre Cinema | O Cavalleiro Elyseu Quarta, 23 de março Cinema 15h30 - Trash? 1 (82’): Coffin Joe Born Again | Ao Lado | Não Temos Receita |Cabrito | Bicho Papão | Snuff Said: Morte em Vídeo | Bom Dia Carlos 18h - Trash? 2 (79’): A Casa Esquecido por Deus | Mistérios Obscuros | Monstrologo | Desejo | Street Boys | A Noite de Samedi 19h30 - Longa Livre 1 (70’): O Signo das Tetas Quinta, 24 de março Auditório 14h - Cabine 6 – Arthur Tuoto (9’): 3XDielman | 4XElephant | Je Proclame La Destruction Cinema 15h30 - Trash? 3 (123’): 13 Histórias Estranhas 18h - Trash? 4 (88’): Necrochorume | A Capital dos Mortos 2: Mundo Morto 20h - Longa Livre 2 (70’): Todas as Cores da Noite Sexta, 25 de março Auditório 14h - Cabine 7 (16’): Inimigo Invisível Cinema 15h30 - Trash? 5 (93’): As Fábulas Negras 18h - Longa Livre 3 (100’): O que Eu Poderia Ser se Eu Fosse 20h - Longa Livre 4 (85’): Tropykaos Sábado, 26 de março Auditório 14h - Cabine 8 (6’): Prenome Walter Cinema 11h - Mostrinha 3 (36’): Cabeça de Ovo: Tuba | Carrossel | Cabeça de Ovo: Corridinha | O Mar de Teresa | Cabeça de Ovo: Espinha | No Tempo das Formigas 15h - Chile 1 (93’): Calafate, Zoológicos Humanos 17h - Chile 2 (67’): 1986 | Cem Crianças Esperando um Trem 19h - Chile 3 (60’): Laberintos de Pan Domingo, 27 de março Auditório 14h - Cabine 9 (19’): Natureza Morta Cinema 11h - Mostrinha 1 (32’): Däniken | Cine Adultério | Dislocation | Bong! | Dinossauro Rex | Cabeça de Ovo: Festinha | A Menina e o Vento 15h - Longa Livre 5 (86’): Como era Gostoso meu Cafuçu | A Seita 17h - Destaque: Pedro Dantas 1 (74’): Onde Está a América Latina? Percal | KollaSuyo - A Guerra do Gás 19h - Destaque: Pedro Dantas 2 (63’): Kinopoéticas Segunda, 28 de março Auditório 14h - Cabine 10 (9’): Curta Memória Cinema 15h - Outro Olhar 1 (70’): Ararat | O Silêncio das Leoas | Uma Mulher e um Homem | Cumieira | Zaki y Zene 16h30 - Outro Olhar 2 (71’): Nosso Amor Durou o Tempo de um Filme | Korea | Transverso | Os Filmes que Moram em Mim | Feio, Velho e Ruim | Repolho 18h - Autores Livres: Curtas (69’): Fim de Semana | Aqueles que Ficam | Quintal 19h30 - Longa Livre 6 (87’): Proxy Reverso Quarta, 30 de março Auditório 14h - Cabine 11 (52’): Moonovosol I,II,III,IV,V & VI Cinema 16h - Autores Livres: Dellani Lima (86’): Agreste | Trago seu Amor 18h - Autores Livres: Ivan Cordeiro (60’): Se Colar Olhou | Se Pintar Colou | Censura Livre 19h30 - Autores Livres: Helena Ignez (73’): Ralé Quinta, 31 de março Auditório 14h - Cabine 12 (7’): Ventania Cinema 16h - Autores Livres: Gustavo Spolidoro (85’): O Sonho, o Limiar e a Passagem que Metamorfoseia | Errante – Um Filme de Encontros 18h - Autores Livres: Duo Strangloscope (75’): Angelus Novus 19h30 - Autores Livres: Petrus Cariry (82’): Clarisse ou Alguma Coisa sobre Nós Dois Sexta, 1º de abril Auditório 14h - Cabine 13 (110’): I Am / Soy Dracula Cinema 16h - Autores Livres: Luís Rocha Melo (85’): Um Homem e seu Pecado 18h - Destaque: Burlan 1 (95’): Amador 19h45 - Destaque: Burlan 2 (93’): Sinfonia de Um Homem Só Sábado, 2 de abril Auditório 14h - Cabine 14 (3’): Sem Título #1 Cinema 11h - Mostrinha 1 (32’): Däniken | Cine Adultério | Dislocation | Bong! | Dinossauro Rex | Cabeça de Ovo: Festinha | A Menina e o Vento 14h45 - Autores Livres: Camilo Cavalcante (120’): A História da Eternidade 17h - Destaque: Burlan 3 (77’): Mataram meu Irmão 18h30 - Destaque: Burlan 4 (90’): Fome Domingo, 3 de abril Auditório 14h - Cabine 15 (6’): Bucólicas Cinema 11h - Mostrinha 2 (36’): Cabeça de Ovo: Tuba | Carrossel | Cabeça de Ovo: Corridinha | O Mar de Teresa | Cabeça de Ovo: Espinha | No Tempo das Formigas 15h - Territórios 1 (92’): Xingu Cariri Caruaru Carioca 17h - Territórios 2 (99’): Hiperselva | U: Réquiem para uma Cidade em Ruínas 19h - Territórios 3 (67’): Cidade Líquida | História de Abraim | Cidade Vazia | [Antikapitalistischen] | Entremundo | Fort Acquario Segunda, 4 de abril Auditório 14h - Cabine 16 (2’): Delivey Cinema 15h - Outro Olhar 3 (70’): Santa Monica 17h - Territórios 4 (77’): Inflamável | Ciclo 7x1 | Superrio Superficcções | Sexta-Feira | O Teto sobre Nós 19h - Territórios 4 (78’): A Loucura entre Nós Quarta, 6 de abril Auditório 14h - Cabine 17 (30’): Ambientes Cinema 15h - Panamericas Latinas 1 (66’): África 815 17h - Panamericas Latinas 2 (87’): Mi Reino no És Deste Mundo 19h - Panamericas Latinas 3 (83’): Em Nome de Copa Quinta, 7 de abril Cinema 15h - Panamericas Latinas 4 (67’): Reflejo Narcisa 17h - Panamericas Latinas 5 (71’): O Verde Está do outro Lado 19h - Caminhos (71’): Hiperidrose | De Terça pra Quarta | Dependências | Bruxa de Fábrica | Noite Escura de São Nunca
    Saiba mais
  • Ano passado a Força Sindical reuniu cerca de 1 milhão de pessoas para a festa do Dia do Trabalhador, evento que teve a participação de, entre outros, Michel Teló e Fernando & Sorocaba. Para a edição deste ano, estão escalados catorze artistas – a maioria deles sertanejos. Aparecem na festa Bruno & Marrone, Leonardo, Marcos & Belutti, Zezé Di Camargo & Luciano, Zé Felipe, João Bosco & Vinícius, Paula Fernandes e Cristiano Araújo. Os pagodeiros Inimigos da HP e Os Travessos também marcam presença, assim como Latino, a cantora-mirim Giovana Vampesi, o padre Reginaldo Manzotti e a funkeira Ludmilla. Dessa vez a festa começa duas horas mais tarde, às 9h, e vai até às 15h. Dia 1º/5/2015. Praça Campo de Bagatelle, Santana. Sexta (1º), das 9h às 15h. Grátis.
    Saiba mais
  • Cinquenta itens retirados do Instituto Inhotim, alguns deles pela primeira vez, dão um gostinho de como é visitar o centro cultural mineiro. As obras faraônicas, claro, não podem ser vistas por aqui, mas a força visual e a seleção muitas vezes lúdica atraem a atenção. Logo na entrada estão pendurados os relevos espaciais supercoloridos de Hélio Oiticica. A sala dedica-se ao movimento neo concreto, que explora a arte como experiência. Essa premissa, aliás, pauta a exposição. Há registros de performances, instalações e artigos cotidianos, como os cinzeiros coletados de aviões por Jac Leirner. De 2/4/2015. Até 31/5/2015.
    Saiba mais
  • Ser atraído por imagens que parecem saltar do plano, listras em um rodamoinho sem fim e pelo reflexo multiplicado incontáveis vezes é um dos baratos desta exposição em cartaz no Museu da Casa Brasileira. Estáticas, as obras alcançam o efeito que engana o olhar por meio da repetição de formas e contrastes de cores. O estilo, popularizado na década de 60 após uma exposição no MoMA, em Nova York, ficou conhecido como optical art, ou apenas op art. Estão ali exemplares de artistas brasileiros e internacionais que se dedicaram a essa possibilidade, caso de Abraham Palatnik, Lygia Clark e Julio Le Parc. Entre os trabalhos mais sedutores para os visitantes aparecem as telas cheias de espelhos produzidas pelo santista Ubi Bava. A abrangente seleção de oitenta itens ainda traz trabalhos de design que criam um cenário psicodélico ao exibir uma padronagem repetitiva em poltronas, abajures e relógios de parede e uma sala dedicada à moda. No espaço podem ser vistas belas peças de vestuário, além de projeções de desfiles de marcas que se inspiraram na op art, a exemplo de Givenchy, Louis Vuitton e Mark Jacobs. De 16/4/2015. Até 31/5/2015.
    Saiba mais
  • Considerado um dos nomes europeus mais importantes do pós-guerra, o italiano Piero Manzoni (1933-1963) ampliou o conceito de arte com seu trabalho provocador e cheio de bom humor, que tem influências até hoje. Em sua criação mais emblemática (e polêmica), apresentou as próprias fezes enlatadas num museu — produzindo um choque semelhante ao provocado pelo urinol do francês Marcel Duchamp. O escatológico trabalho, que questiona o status da obra de arte, faz parte da mostra que leva seu nome no MAM. A seleção inclui também um balão com o sopro do autor e um pedestal sobre o qual visitantes foram convidados a subir e, dessa forma, transformaram-se em esculturas vivas. Ações que podem ser vistas como precursoras das performances, tão difundidas atualmente. Com trajetória consistente, apesar de curta — Manzoni morreu aos 29 anos, vítima de um infarto —, ele se propunha a desmitificar a autoridade do criador. Uma ruptura que não acontecia desde as vanguardas europeias, no início do século XX. Vale, no entanto, um aviso: quem não conhece sua história corre o risco de se perder diante dos objetos expostos, aparentemente banais quando observados fora do contexto. Falta à montagem oferecer ao visitante embasamento e explicações sobre a instigante discussão levantada por Manzoni. De 8/4/2015. Até 21/6/2015.
    Saiba mais
  • Museus

    Solar da Marquesa de Santos

    Rua Roberto Simonsen, 136, Sé

    Tel: (11) 3105 6118

    2 avaliações
  • Parques

    Parque da Aclimação

    Rua Muniz De Sousa, 1119, Liberdade

    Tel: (11) 3208 4042

    2 avaliações

    A mobilização dos moradores para salvar cisnes e outros bichos quando uma chuva forte fez o lago do parque ir literalmente pelo ralo, em 2009, é uma boa amostra do orgulho que a vizinhança tem do local, incluídos aí moradores de bairros próximos como Vila Mariana e Chácara Klabin. Desde os anos 20, quando era uma propriedade privada, o lugar foi centro de prática de esportes como remo e sede de um jardim zoológico. Hoje, sua infraestrutura tem campo de futebol, playgrounds, jardim japonês com espelho-d’água e uma biblioteca de mais de 35.000 volumes especializada em meio ambiente, em espaço menos tumultuado que o Ibirapuera.

    Saiba mais
  • Centros culturais

    Centro Cultural da Penha

    Largo do Rosário, 20, Penha De França

    Tel: (11) 2295 0401

    Sem avaliação
  • Parques

    Parque Dr. Fernando Costa (Parque da Água Branca)

    Avenida Francisco Matarazzo, 455, Água Branca

    Tel: (11) 3803 4200

    5 avaliações

    Chegue cedo para garantir uma das dez mesas de madeira disponibilizadas no Parque da Água Branca. Próximo à Estação Barra Funda, o espaço tem atmosfera interiorana.

    Saiba mais
  • Centros culturais

    Instituto Choque Cultural

    Rua Capitão Salomão , 26, Centro

    Sem avaliação

Fonte: VEJA SÃO PAULO