Noite

3 perguntas para... Killer on the Dancefloor

Há cinco anos na ativa, o eclético duo faz uma média de doze apresentações por mês em todo o país

Por: Carol Pascoal

Killer on the dancefloor - Noite - 2274
Killer on the Dancefloor: sets diversificados (Foto: Divulgação)

Os DJs paulistanos Flavio Romão, o Fatu e Phillip Alves, conhecido como Phil, criaram um dos projetos de música eletrônica mais disputados do momento: o Killer on the Dancefloor. Há cinco anos na ativa, o eclético duo lançou um álbum em março pelo selo 3Plus (o mesmo de Gui Boratto), batizado de “Criminal”, e faz uma média de doze apresentações por mês em todo o país. Na sexta (22), eles tocam na Ballroom, nos Jardins.

+ Killer on the Dancefloor lança seu primeiro disco no Bar Secreto

+ Tudo sobre as melhores baladas da cidade

VEJA SÃO PAULO — Vocês têm estilos muito diferentes?

Fatu — Quando nos conhecemos, durante uma residência no clube B.A.S.E., em 1998, eu seguia uma linha de house comercial e o Phil se mostrava mais underground. Hoje, trocamos referências e montamos faixas equilibradas entre os nossos gostos. Brigamos de vez em quando, mas isso é normal em qualquer relação.

VEJA SÃO PAULO — Muito do sucesso de vocês se deve à internet. Por que lançar um CD?

Phil — Sempre sonhei em ter o material físico nas mãos. Entrar numa loja com o meu pai e encontrar um disco de minha autoria é uma glória.

Fatu — Para mim serve como um troféu, dá para guardar eternamente. As faixas estão disponíveis na internet, mas o álbum ajuda a conquistar um pessoal diferente, mais velho.

VEJA SÃO PAULO — Por que os sets são tão variados?

Phil — Acho que transitamos bem por diversos tipos de som e, consequentemente, de público. No repertório do "Criminal", por exemplo, quase todas as produções têm a participação de um convidado. Vai do MC C4bal, do hip-hop, passa pelo Thiago Pethit, figura da nova música brasileira, até pelo Alec Ventura (ex-guitarrista do Copacabana Club), da turma indie. Tocamos em boates de playboy, festas descoladas e em grandes festivais, como o Skol Sensation e o Lollapalooza, sem nunca perder a identidade. Agora, queremos fazer uma turnê internacional.

Fonte: VEJA SÃO PAULO