Mistérios da Cidade

Feiras livres completam 100 anos de regulamentação

Em 1914, Washington Luís, prefeito da capital na época, regulamentou a atividade nas ruas

Por: Maurício Xavier [colaborou Ricardo Rossetto] - Atualizado em

Feira livre Pacembu
Feira do Pacaembu: processo de modernização (Foto: Daniel Aratangy)

Em 1914, Washington Luís, prefeito da capital na época, regulamentou as feiras livres na cidade. Ao longo dos últimos 100 anos, a atividade se espalhou pelos quatro cantos da metrópole. De uns tempos paracá, esse tipo de comércio vem se modernizando para fazer frente à concorrência de empórios e supermercados. “O freguês é muito exigente e apressado, por isso nos adaptamos para garantir o pagamento com cartão, fazer entregas e oferecer horário noturno”, afirma José Torres, presidentedo Sindicato dos Feirantes. De acordo com ele. a popularização dos supermercados de bairro não amedronta a categoria, e as feiras livres seguem forte para mais 100 anos de atividades. “Somos parte da cultura dessa cidade”. 

+ As delícias do varejão da Ceagesp

Confira algumas curiosidades sobre o negócio

Comerciantes que trabalham no segmento: cerca de 12 000

Total de feiras: 873

Total de barracas: 16 500

A mais antiga: a Feira Moraes de Barros, na Rua Firmiano Pinto, no Brás (desde 1915)

A maior: a do Viaduto Mateus Torloni, no Jabaquara, com 1 197 metros e 175 barracas

Região com o maior número: Zona Leste (357 feiras)

Fonte: VEJA SÃO PAULO