Em processo de renovação, Masp traz de volta cavaletes de vidro

O museu, que renegociou 61 milhões de reais em dívidas, inaugura na sexta (11) o novo estilo de exposição, um marco de sua nova gestão

Para criar o poderoso acervo do Museu de Arte de São Paulo, em 1947, o empresário Assis Chateaubriand envolveu endinheirados paulistanos em uma chantagem descarada: promovia em seus jornais campanhas difamatórias contra os figurões até que liberassem dinheiro para a aquisição de pinturas assinadas por Van Gogh, Renoir, Monet, Rembrandt eoutros mitos. Na definição de uma reportagem da revista Time, publicada em 1954, sob o título “Senhor Robin Hood”, ele era “o homem que rouba Cézannes dos ricos para dar aos pobres”.

+ Leia mais sobre o Masp

Passados quase setenta anos, outros nomes da elite da cidade estão ajudando a transformar esse patrimônio de forma mais espontânea: em um ano, desembolsarammilhões de reais, lançaram mão de contatos e arregaçaram as mangas para resolver dívidas, promover mudanças estruturais e tentar trazer o cartão-postal de volta aos tempos áureos. Um marco importante dessa nova fase acontecerá na sexta (11), com o retorno dos cavaletes de vidro ao 2‚ andar, fechado desde junho para a reforma, que guarda as principais joias da coleção.

Concebidos por Lina Bo Bardi, esses suportes transparentes, que se tornaram icônicos, ganharam destaque internacional em 1968, quando o Masp inaugurou sua terceira e atual sede, desenhada pela arquiteta, na Avenida Paulista. São placas de vidro encaixadas em pequenos blocos de concreto.

MaspMasp

Presas à transparência, as telas parecem flutuar no ambiente, um prato cheio para visitantes que gostam de posar junto das obras e compartilhar o resultado em suas redes sociais. A proibição de fotografar a mostra permanente, vigente durante anos, foi derrubada. Saíram de cena também as marcas no chão que definiam a distância entre o público e o quadro— é possível aproximar- se por todos os lados.

No verso das telas, vê-se o fundo original das molduras, muitas vezes com selos de exposições nas quais estiveram ao longo de sua história. “A ideia é que o espectador escolha um caminho pelas obras e crie sua própria narrativa”, afirma Adriano Pedrosa, o atual diretor artístico. Em 1996, quando o museu estava sob o comando do arquiteto Julio Neves, os cavaletes foram extintos e deram lugar a paredes convencionais, agora derrubadas.

MaspMasp

A volta às origens será celebrada com um coquetel para convidados na quinta (10), um dia antes da reabertura à população. Deve comparecer ao evento boa parte dos 83 membros do conselho, um colegiado de poderosos que passou a incluir nomes como Carlos Jereissati Filho (Grupo Iguatemi), Flávio Rocha (Riachuelo) e José Roberto Marinho (Organizações Globo). Eles foram atraídos pelo presidente do museu, Heitor Martins, eleito em setembro do ano passado.

O novo capitão assumiu o gigante com dívidas estimadas em 70 milhões dereais, e uma das primeiras regras foi que cada um dos conselheiros doasse 100 000 reais de imediato e 25 000 reais anuais. “Mas a questão vai muito além do dinheiro”, diz Martins. “Abrimos espaço para que todos pudessem, de fato, participar das mudanças.” Os membros são divididos em comitês consultivos, que discutem de programação a orçamento.

Além disso, são convidados constantemente a acionar seus contatos. Exemplo: com um telefonema de Geyse Diniz, mulher do empresário Abilio Diniz, o cantor Gilberto Gil topou fazer umshow gratuito para arrecadar fundos. Nos bastidores, diretores da organização conversam com o apresentador Luciano Huck para que se torne conselheiro. Avaliam que ele ofereceria um tipo único de influência à instituição.

Heitor MartinsHeitor Martins

Filho de um obstetra e uma linguista especializada na literatura de Guimarães Rosa, Martins, de 48 anos, é casado com Fernanda Feitosa, diretora da SP-Arte, a principal feira do setor no país. A casa dos dois no Morumbi tem cara de galeria, repleta de obras de nomes como Adriana Varejão e Alfredo Volpi. Ele passou a ser cotado para o Masp após o trabalho à frente da Fundação Bienal de São Paulo entre 2009 e 2013, no qual organizou as contas.

+ Saiba como se tornar um amigo do Masp

Para a nova missão, buscou até mesmo figurões que não tinham vivência no mecenato, recrutadosde forma casual. “Ele me ligou dizendo que estava passando na Marginal Pinheiros e gostaria de tomar um café”, conta Alexandre Bertoldi, sócio-gestor do escritório de advocacia Pinheiro Neto, um dos primeiros “seduzidos” pela ideia e hoje membro da diretoria. Na visita, ouviu à queima roupa: “O que acha de fazermos um take over (assumir o comando) do Masp?”. A primeira medida do advogado foi analisar as responsabilidades legais que os voluntários poderiam ter, “inclusive em questões de patrimônio pessoal”.

Acabou cada vez mais interessado pelo tema e adquiriu peças de pintores como Paulo Pasta. Para Jackson Schneider, presidente da Embraer Defesa & Segurança, o convite veio em um almoço no restaurante Parigi. O resultado, além do engajamento na causa, foi o início de uma coleção particular, que inclui de Hélio Oiticica a Anita Malfatti. O trabalho criou uma espécie de “clube”.

No começo de 2016, os conselheiros devem ser recebidos em almoço na casa de Olavo Setubal, do Itaú, na luxuosa Fazenda Boa Vista, a cerca de 100 quilômetros da capital, com bons exemplares de arte brasileira. Planejam ainda viajar juntos para estudar pintura europeia (o Masp, por sinal, possui a melhor coleção estrangeira do continente, se excluídos os museus dos Estados Unidos).

MaspMasp

Para Alfredo Setubal, vice-presidente do conselho do museu, a empreitada vem sendo “muito prazerosa”. “Mas tivemos de lidar com alguns esqueletos no armário”, conta. Segundo Lucas Pessôa, diretor de operações, a contribuição previdenciária dos funcionários não era recolhida. Entre diversas ações trabalhistas, uma delas caiu como bomba: a de Teixeira Coelho, curador desde 2006 e substituído na atual gestão por Pedrosa.

+ Coleção Masp Rhodia está em cartaz na instituição

As reivindicações de Coelho, estimadas na casa de 8 milhões de reais, incluem de saláriosatrasados a indenização por danos morais. Procurado, ele informa que “está tudo resolvido”, mas, de acordo com o museu, havia uma audiência agendada para a última sexta (4). “É um ingrato”, alfineta um conselheiro. No dia a dia, os problemas se mostraram os mais variados. No início do ano, durante manifestações contra o governo federal, um susto e tanto: um caminhão estacionou no vão livre do prédio e criou uma fissura nesse pavimento, que é o teto do 1º subsolo.

MaspMasp

O maior fantasma, porém, era bem conhecido: um imbróglio judicial em torno do prédio ao lado. Em 2004, a companhia telefônica Vivo doou o espigão para que se transformasse em um anexo. Isso nunca aconteceu, e a empresa entrou na Justiça para reaver seu investimento, que chegou a ser calculado, com correção monetária, em 45 milhões de reais. Em setembro, um acordo foi selado: 10 milhões acabaram convertidos em prestações até 2036 e o restante ganhará forma em publicidade da marca em placas e cartazes.

MaspMasp

Assim, resolveu-se a pior herança da gestão de Júlio Neves, que assumiu a presidência em 1994 e ficou lá por catorze anos. Em sua administração, foram emblemáticos o corte de luz do prédio, em 2006, e o roubo de quadros de Picasso e Portinari, no ano seguinte. Por outro lado, ele liderou uma reforma de 20 milhões de reais. “Lembro-me de ver, antes desses reparos mais recentes, funcionários posicionando baldes para aparar as goteiras”, diz Beatriz Camargo, gestora da entidade entre 2013 e 2014. Sobre o legado de endividamento, Neves justifica: “O problema de recursos sempre acompanhou a história do Masp”.

+ Café Suplicy abre duas unidades dentro do Masp

Pesa a seu favor o recorde de público: a exposição Monet — O Mestre do Impressionismo recebeu cerca de 400 000 pessoas em 1997. Com oscilações desde então, o total de visitantes chegou a 289 000 em 2014 e, neste ano, passou de 300 000, mesmo com o reajuste do ingresso, de 15 para 25 reais. A expectativa é crescer 50% em 2016.

MaspMasp

Para os frequentadores, a fase de melhorias vai além dos cavaletes de vidro. Em 2016, será feita, com o patrocínio do fabricante, a reforma dos elevadores, que se tornarão panorâmicos e serão reposicionados a fim de facilitar o fluxo de entrada. O café, antes com cara de cantina de escola, ganhou a bandeira Suplicy e uma segunda unidade. A loja passou a ter produtos próprios, de canecas a catálogos.

Até então inexistente, o programa de amigos do Masp, com ingresso livre e outras vantagens por uma anuidade de 140 reais (70 reais para estudantes e 100 reais no caso de pessoas acima de 60 anos), soma quase 900 adeptos, e a expectativa é crescer perto do Natal, já que é possível dar a inscrição de presente a alguém (saiba como ganhar 20% de desconto na filiação). “Um time forte é aquele que tem torcida”, compara a diretora jurídica, Juliana Siqueira de Sá. “Frequentadores engajados ajudam a atrair outros”, reforça o diretor financeiro, Miguel Gutierrez.

Para cuidar da programação, Pedrosa convidou cinco curadores adjuntos, divididos em áreas que vão de arte europeia a moda. A venezuelana Julieta González, responsável por peças modernas e contemporâneas, reeditará em março a mostra Playgrounds, só com obras interativas, feitas especialmente para o evento. Em abril, o italiano Luciano Migliaccio organiza Histórias da Infância, com quadros que retratam o universo infantil desde o Renascimento.

MaspMasp

O acontecimento arrasa-quarteirão, porém, deve levar mais de dois anos para ser viabilizado, com telas de Van Gogh produzidas no tempo de sua estada em hospício de Saint-Rémy, em 1889. O Masp tem três exemplares desse período do holandês, e para a exposição precisará recorrer a instituições como os museus d’Orsay, de Paris, Van Gogh, de Amsterdã, e Metropolitan, de Nova York.

+ Entrevistamos a curadora-adjunta Lilia Schwarctz, responsável pelo núcleo de narrativas do Masp

O acervo poderoso do Masp (com 8 000 unidades, estimado entre 2 e 3 bilhões de reais) é crucial na negociação, pois as entidades estrangeiras também costumam operar na direção contrária, batendo à sua porta em busca de favores. Um episódio vivido pelo diretor operacional ao assumir o cargo, aliás, tornou-se sintomático daquilo que precisava ser mudado. O Metropolitan preparava uma mostra com uma série específica de cinco quadros de Cézanne — só faltava um que estava em posse do Masp para viabilizar a ideia. “O pedido, feito mais de um ano antes, estava sem resposta”, conta Pessôa.

MaspMasp

“Quando liguei confirmando que mandaríamos esse Cézanne, quase choraram de emoção.” Hoje, estão em negociação um Édouard Manet, de interesse do Hamburger Kunsthalle, na Alemanha, e uma bailarina emblemática de Edgar Degas para a Galeria Nacional de Victoria, na Austrália. Quando essas raridades cruzam o oceano, ajudam também a tornar o nome do Masp mais conhecido do público internacional. Para os paulistanos, que sempre se orgulharam do cartão-postal, a nova fase do espaço certamente reforçará esse antigo caso de amor entre o museu e a cidade.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s