MAM recebe mostra sobre Maria Martins

O estilo inclassificável da artista mineira pode ser visto por meio de gravuras, desenhos e cerâmicas, além das singulares esculturas

Por décadas lembrada mais pelo relacionamento amoroso com o artista francês Marcel Duchamp do que pela própria produção, a mineira Maria Martins (1894-1973) está nos holofotes desde um primoroso livro lançado em 2010 pela editora Cosac Naify. A retrospectiva Metamorfoses, exibida no MAM, também ajuda a fazer justiça a sua carreira.

As 38 esculturas reunidas pelo museu reforçam quanto o estilo de Maria é inclassificável. Realizadas principalmente em bronze, peças tridimensionais como Impossible, Uirapuru e Orpheus remetem, à primeira vista, à liberdade criativa do surrealismo. A apreciação atenta, porém, revela traços do barroco brasileiro, pelas formas rebuscadas, e uma abordagem sexual e vertiginosa de uma maneira até análoga à da francesa Louise Bourgeois.

Integram ainda a seleção da curadora Veronica Stigger cerâmicas, gravuras e desenhos de cunho figurativo feitos no início da carreira, além de recortes de artigos de jornal, livros com ilustrações de Maria e algumas fotografias da escultora no ateliê.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s