Lollapalooza: tudo o que você precisa saber sobre o festival

Festival volta a ocupar o Autódromo de Interlagos com estrelas como Metallica e Duran Duran na sexta edição do evento na cidade

Desde 2012, o grande responsável por trazer os principais nomes da música internacional para São Paulo tem sido o Lollapalooza. Na estreia do festival, no Jockey, o destaque foi o Foo Fighters, que quebrou ali um jejum de dezessete anos sem pisar no Brasil. Há quatro anos o evento vem sendo realizado em Interlagos.

Veja também

Na edição 2017, programa- da para sábado (25) e domingo (26) no autódromo, o line-up também é de primeira. Desta vez, as atrações mais aguardadas são Metallica e The Strokes. O público, sempre numeroso (no ano passado, de 160 000 pessoas), pode conferir ainda The Weeknd e Two Door Cinema Club, além de bons nomes da música eletrônica, que ganha mais espaço na programação. “A indústria musical passou por uma revolução depois da internet, e o Lollapalooza resgatou a possibilidade de os músicos fazerem turnês maiores”, disse a VEJA SÃO PAULO Perry Farrell, líder da banda Jane’s Addiction e criador do festival, em 1991, nos Estados Unidos.

“O mais interessante do Lolla no Brasil é a localização. Do alto, dá para ver todos os palcos e as pessoas correndo para as apresentações. A sensação é incrível.” Novidade deste ano, o sistema Lolla Cashless substitui as fichas por pulseiras recarregáveis e promete evitar filas. Ainda há ingressos por 540 reais, para um dia, e 920 reais,  para o fim de semana completo.

Trilha sonora
Confira as principais atrações de rock, indie, pop e eletrônico, além dos destaques nacionais

ROCK & INDIE

(Guillaume Baptiste/AFP)

THE STROKES
O grupo nova-iorquino causa frisson desde os anos 2000. Mas há três anos, com Comedown Machine, a ansiedade do público brasileiro para rever a banda liderada por Julian Casablancas aumentou (eles estiveram aqui em 2005 e 2011). Escalado para o show de encerramento, o quinteto deve tocar duas faixas do EP Future Present Past (2016) e explorar melhor hits antigos como Hard to Explain, Reptilia e Last Nite. Palco Skol. Domingo (26), 20h30.

(Divulgação/Veja SP)

TWO DOOR CINEMA CLUB
Depois de cinco anos de turnês intensas e dois discos de sucesso, os irlandeses chegaram a dar um tempo na banda em 2015. “Era estafa mesmo, precisávamos fazer outras coisas, como jardinagem e culinária”, diz o baixista Kevin Baird. A pausa serviu para uma reorganização, seguida da produção de Gameshow (2016), trabalho inspirado em artistas como Prince e David Bowie. Esta será a segunda apresentação do grupo no Lolla paulistano. “A nossa primeira vez impressionou porque não sabíamos se as pessoas realmente nos conheciam, mas veio uma multidão”, conta Baird. Palco Skol. Domingo (26), 17h35.

(Divulgação/Veja SP)

DURAN DURAN
Para os saudosistas, o vocalista Simon Le Bon promete um repertório de sucessos dos anos 80 e 90. “Vamos tocar para um grupo heterogêneo e precisamos de um set mais conhecido”, diz o cantor. Em 2015, os caras soltaram o dançante Paper Gods, uma bem-sucedida empreitada para modernizar o Duran Duran, sem perder o DNA da banda, claro. Um dos momentos que vêm marcando as apresentações do grupo é a homenagem aos mortos no atentado ao Bataclan, em Paris, em novembro de 2015. “É uma pena que Save a Prayer tenha ficado famosa de novo por causa dessa tragédia”, diz Le Bon. “Virou uma música para quem se recusa a se render ao terrorismo”, completa ele. Palco Onix. Domingo (26), 16h30.

(Jeff Yeager/Metallica/Getty Images/Veja SP)

METALLICA
Foram oito anos sem um disco próprio de estúdio. Para compensar, no fim do ano passado, eles colocaram um duplo nas prateleiras. Hardwired… To Self-Destruct veio como um alento aos fãs. Pesado e poderoso, o trabalho tem sido apontado como uma continuação mais madura do que eles apresentavam até 1991, quando lançaram o aclamado Metallica (Black Album). Atlas, Rise! e Moth into Flame são as faixas da nova empreitada que podem empolgar os fãs, já acostumados à cenografia impecável e aos efeitos especiais. Palco Skol. Sábado (25), 21h.

(Divulgação/Veja SP)

CAGE THE ELEPHANT
Recordista de passagens pelo festival, o grupo indie faz a sua terceira aparição aqui com o CD Tell Me I’m Pretty. Palco Skol. Sábado (25), 16h25.

(Divulgação/Veja SP)

JIMMY EAT WORLD
O grupo de “pop punk” estreia aqui com o melancólico Integrity Blues. Mas o vocalista Jim Adkins garante que haverá animação. “Shows de dia precisam ter vigor e poucas músicas lentas”, afirma. Palco Skol. Domingo (26), 15h25.

(Divulgação/Veja SP)

THE XX
De pegada rock eletrônico, o trio londrino lançou depois de cinco anos um novo trabalho, I See You, com a bela On Hold. Palco Onix. Sábado (25), 19h40.

(Divulgação/Veja SP)

GLASS ANIMALS
A banda, formada em 2012, tem dois discos produzidos por Paul Epworth, responsável também por Adele e Coldplay. O último, How to Be a Human Being (2016,) mostra efeitos sonoros bem arranjados em faixas como Youth e Season 2 Episode 3. Palco Onix. Sábado (25), 15h20.


POP & ELETRÔNICO

(Divulgação/Veja SP)

MARTIN GARRIX
Primeiro lugar no ranking da revista DJ Mag, o holandês, expert em EDM, mostra hits como In the Name of Love. Perry’s. Domingo (26), 20h45.

(Divulgação/Veja SP)

MARSHMELLO
O DJ, de identidade não revelada, apareceu há dois anos, elogiado por artistas como Skrillex. Ele viaja com o disco Joytime. Perry’s. Sábado (25), 20h.

(Divulgação/Veja SP)

THE CHAINSMOKERS
Revelação pop, o duo novaiorquino faz o público cantar junto as músicas Closer, Paris e a premiada Don’t Let Me Down. Palco AXE. Sábado (25), 21h45.

(Divulgação/Veja SP)

THE WEEKND
Queridinho da nova geração do R&B, o canadense está com Starboy no topo das paradas. The Hills está garantida. Palco Onix. Domingo (26), 18h55.

(Divulgação/Veja SP)

TEGAN AND SARA
As gêmeas canadenses misturam pop com a base eletrônica em faixas como Closer e Boyfriend. Palco AXE. Sábado (25), 17h15.

(Divulgação/Veja SP)

TOVE LO
Com batidas envolventes, a sueca deve fazer a plateia dançar com Cool Girl e seu grande hit, Habits (Stay High). Palco AXE. Sábado (25), 20h15.


ARTISTAS NACIONAIS

(Divulgação/Veja SP)

CRIOLO
No início de 2016, o rapper relançou um álbum gravado há dez anos. Ele mostra um trecho de Ainda Há Tempo no festival, sem deixar de lado as músicas dos dois trabalhos que o destacaram, Nó na Orelha e Convoque Seu Buda. Palco AXE. Sábado (25), 18h45.
Por que retrabalhar agora Ainda Há Tempo? Foi um CD feito com nada de verba, num momento muito importante para mim. Poder dividir isso com um número maior de pessoas é enriquecedor. As apresentações desse trabalho têm sido emocionantes para mim.

O rock prende mais a atenção do público do Lolla que o rap? Quer mais atitude rock and roll do que um cara que acorda às 4 da manhã para trabalhar, vai dormir meia-noite e sustenta os filhos? O rap é muito mais uma questão de atitude do que de som. É um momento para celebrar. A energia é boa, e é isso que importa.


CÉU

(Divulgação/Veja SP)

Responsável por um dos principais discos nacionais de 2016, Tropix, a cantora faz um show dançante baseado no trabalho. Palco Skol. Domingo (26), 13h15.
Como surgiu Tropix? Era um tiro no escuro. Eu queria flertar com a música eletrônica de forma mais escancarada. Ter ao lado o Hervé Salters, do projeto General Elektriks, foi muito importante para esse processo. Ele tem um olhar distanciado da nossa música por ser estrangeiro e veio com uma perspectiva mais fresca.

Qual a expectativa para o show no Lolla? Em festival, tem muita gente que não vai para ver você. É interessante justamente para exercitar isso: chamar a atenção de pessoas que não conhecem seu trabalho a fundo.


SURICATO

(Divulgação)

Entre o rock, o folk e o pop, o grupo carioca liderado por Rodrigo Suricato promete mostrar canções inéditas do próximo trabalho. Palco Skol. Sábado (25), 14h15.

BAIANASYSTEM

(Max Fonseca/Veja SP)

Além das belas composições de Russo Passapusso, a banda chama atenção pela mistura de música eletrônica com guitarrada baiana. Palco AXE. Sábado (25), 14h15.


AGENDA DE SHOWS
Confira a programação completa

Bob Moses. Palco AXE. Sábado (25), 15h45.

Borgore. Perry’s. Domingo (26), 15h45.

Catfish and the Bottlemen. Palco Onix. Domingo (26), 14h20.

Don Diablo. Perry’s. Sábado (25), 16h15.

Flume. Palco AXE. Domingo (26), 20h45.

G-Eazy. Perry’s. Sábado (25), 21h30.

GRiZ. Perry’s. Domingo (26), 17h.

Melanie Martinez. Palco AXE. Domingo (26), 19h.

. Palco AXE. Domingo (26), 17h30.

Nervo. Perry’s. Domingo (26), 19h30.

Oliver Heldens. Perry’s. Domingo (26), 18h15.

Rancid. Palco Skol. Sábado (25), 18h35.

Silversun Pickups. Palco AXE. Domingo (26), 16h.

Tchami. Perry’s. Sábado (25), 17h30.

The 1975. Palco Onix. Sábado (25), 17h30.

Vance Joy. Palco AXE. Domingo (26), 14h30.

Bratislava. Palco Onix. Domingo (26), 12h25.

Chemical Surf. Perry’s. Domingo (26), 14h30.

Daniel Groove. Palco AXE. Domingo (26), 13h.

Doctor Pheabes. Palco Skol. Sábado (25), 12h05.

Gabriel Boni. Perry’s. Domingo (26), 12h30.

Haikaiss. Perry’s. Sábado (25), 13h45.

Illusionize. Perry’s. Domingo (26), 13h30.

Jaloo. Palco AXE. Sábado (25), 12h45.

Ricci. Perry’s. Sábado (25), 12h45.

The Outs. Palco Onix. Sábado (25), 13h10.

Victor Ruiz. Perry’s. Sábado (25), 15h.

Vintage Culture. Perry’s. Sábado (25), 18h45.

(Divulgação/Veja SP)

COMO CHEGAR?

Trem — A estação mais próxima é Autódromo, da Linha 9-Esmeralda, a cerca de 600 metros do portão 9.

Carro — O estacionamento deve ser comprado até quarta (22) pelo site ticketsforfun.com.br. O preço da diária é de 100 reais. A entrada é feita pelo portão G.

Ônibus — O site da SPTrans mostra o itinerário dos coletivos. Há pontos próximos aos portões 7, 8, 9, D e M.

Táxi ou Uber — O ponto de encontro é a Praça Enzo Ferrari, na Avenida Interlagos. As entradas mais próximas são pelos portões 7 e 8.

O QUE LEVAR
Tênis confortáveis, capa de chuva, câmera portátil, chapéu e óculos escuros são recomendados. Estão proibidos itens como garrafas de vidro e latas, embalagens rígidas com tampa, câmeras fotográficas e de filmagem profissionais, bastão para tirar fotos, guarda-chuva, cartazes de papelão grosso ou presos em madeira ou hastes rígidas.

NÃO FIQUE SEM DINHEIRO
Antes de seguir para o festival, tenha em mãos a pulseira do Lolla Cashless registrada no site http://www.lollapaloozabr.com/ axe-lolla-cashless. Dica para calcular quanto você vai gastar: a cerveja sairá por 12 reais. No local, será possível recarregá-la com dinheiro e cartões de crédito e débito.

 

TRANSFER
Pago à parte, o serviço de ida e volta num micro-ônibus custa 75 reais por dia. A saída é a partir das 11h, do Sheraton WTC (Avenida das Nações Unidas, 12559), com retorno a partir das 20h30.

CHEF’ STAGE
A praça de alimentação do festival conta com treze estandes de chefs, entre eles o de Benny Novak, do Ici Bistrô, que serve baguete com tiras de carne por 22 reais, e o de Carlos Bertolazzi, do Zena Caffè, autor do estrogonofe de frango, a 20 reais.

LOLLA LOUNGE
Para quem busca uma experiência exclusiva, há um camarote de 5 000 metros quadrados com shows particulares. O preço para os dois dias é de 1 000 reais, além do ingresso de 920 reais para sábado (25) e domingo (26).

Autódromo de Interlagos. Avenida Senador Teotônio Vilela, 261, Interlagos, ☎ 4003-5588. Sábado (25) e domingo (26),
a partir das 12h. R$ 540,00 (por dia) e R$ 920,00 (os dois dias).

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s