José Moura-George apresenta pinturas inéditas no MuBE

Artista luso-britânico vive no Brasil pela segunda vez e diz que país o inspirou a colocar mais cores em suas telas

O luso-britânico José Moura-George, de 69 anos, apresenta até dia 16 a exposição Rumos e Destinos no Museu Brasileiro da Escultura (MuBE). São trinta pinturas – 27 inéditas no país – de paisagens conceituais, construídas por geometrias, cores e luz.

Com mãe portuguesa e pai inglês, Moura-George conta que somente após sua experiência no Brasil é que seus trabalhos ganharam tons vivos. “Fiquei dez anos aqui, de 70 a 80. Antes, os meus temas eram mais cinzas”, afirma o artista que voltou faz dois anos a viver em São Paulo.

Sua esposa, Maria Teresa, divide seu tempo entre a capital paulista e Portugal e lembra que a cena cultural brasileira era muito menor há cerca de 30 anos. “Criar um público por meio da pintura é extremamente gratificante. É muito gostoso quando as pessoas veem, apreciam e até pedem para conversar com você”, completa Moura-George, que também já morou na Inglaterra, nos Estados Unidos e na Alemanha.

Após o fim da mostra, as obras que compõem Rumos e Destinos poderão ser adquiridas por preços que variam entre R$ 3 mil e R$ 50 mil.

Leia mais sobre a trajetória de Moura-George na entrevista abaixo:

De onde veio a inspiração para Rumos e Destinos? Eu escolhi o tema há dois anos e comecei a desenvolver as telas. Elas são todas inéditas no Brasil, exceto três. Na verdade, é tudo o que observo quando estou caminhando. Eu vejo essas imagens e registro em pequenas anotações, em um caderno. Hoje em dia, o celular me ajuda muito. Eu tiro fotos e, quando chego ao ateliê, começo a criar.

Como o Brasil influencia seu trabalho? Eu vivi dez anos aqui, dos anos 70 aos 80. O Brasil foi a minha grande influência de cor e luz. Com a minha educação foi em inglês e alemão e estudei na Bauhaus [escola germânica de design, artes plásticas e arquitetura], meus temas antes eram mais cinzas. O Brasil me deu cores completamente diferenciadas, mais alegres, e também me influenciou nas paisagens que represento nas telas.

O que o motivou a voltar a viver no país? Sempre gostei daqui. Visitava muito o Brasil, pois tive uma casa na Bahia. São Paulo me alimenta, por ser essa metrópole. O resto do país é lindo, mas para trabalhar é melhor aqui. Há dois anos, iniciei um curso no Instituto Tomie Ohtake de pintura contemporânea brasileira e me integrei de novo.

O senhor também já viveu em outros países. O que aprendeu em cada lugar? Vivi em Portugal até os 13 anos. Lá, um tio que era arquiteto abriu meus olhos para as artes. Na Inglaterra, tive toda a minha formação e comecei a criar – foi a base da minha estrutura intelectual. Nos Estados Unidos, desenvolvi praticamente todo meu trabalho. Já na Alemanha, eu participei da Bauhaus. Foi uma temporada extremamente importante, que me agregou técnica.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s