Guia para ver a Bienal em 30, 90 e 150 minutos

Confira três roteiros para visitar a mostra, que neste ano aborda a pobreza e a marginalidade em obras políticas

A Bienal de São Paulo apresenta, desde sábado (6), 250 obras de mais de 100 artistas em sua 31ª edição. O evento, que segue até 7 de dezembro no Parque do Ibirapuera, tem dividido a crítica. Para o público, uma possível fonte de resistência é o excesso de textos explicativos para aproveitar obras de pouca assimilação direta.

A pobreza e a marginalidade são temas centrais da mostra deste ano. O paraense Éder Oliveira, por exemplo, retrata bandidos que estamparam capas de jornais. Giuseppe Campuzano propõe o projeto de um museu portátil que aborda a injustiça contra transexuais e indígenas no Peru.  

Selecionamos três roteiros com atrações para os diferentes perfis. Para quem tem apenas trinta minutos (ou seja, quer ver as obras mais comentadas); para aqueles que dispõem de uma hora e meia e não querem perder tempo com trabalhos menos relevantes; e o roteiro mais completo, que pode ser feito em três horas.

Confira:

+ Público devora escultura feita de doces no CCBB

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s