Passos precisos no espetáculo de flamenco ‘Toro Negro’

Os bailarinos Carolina Zanforlin e Miguel Alonso se revezam em solos e duos na peça dividida em três partes: viver, amar e morrer

Bailarinos de flamenco jamais economizam nas demonstrações de sentimento. Fazem parte do espetáculo expressões e movimentos exagerados, capazes de revelar desde uma paixão avassaladora até a tristeza profunda. Em Toro Negro, a paulistana Carolina Zanforlin e o cubano Miguel Alonso investem em passos repletos de fúria. Eles se revezam em solos e duos na peça dividida em três partes: viver, amar e morrer.

Carolina troca de figurino quatro vezes — vestidos rodados, leques e xales potencializam o efeito dos giros e do sapateado. Alonso exibe habilidade em passos precisos e ao usar castanholas em uma das cenas. Cinco músicos executam ao vivo a trilha sonora original, composta principalmente de faixas de ritmo crescente (60 min). 12 anos.

Palavras inspiradoras: o texto Espanha, de Clarice Lispector, sobre a intensidade do flamenco, serviu de base para a criação da coreografia.

Avaliação: ✪✪✪

 

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s