Confira os próximos filmes que modernizam livros clássicos

Além de <em>Anna Karenina</em> e <em>Os Miseráveis</em>, que estão em cartaz na cidade, produções como <em>O Grande Gatsby</em> vão fazer você repensar obras-primas da literatura

No Oscar 2013, o taiwanês Ang Lee ganhou a estatueta de melhor diretor por As Aventuras de Pi. A atriz Jennifer Lawrence foi lembrada por um dos papeis principais de O Lado Bom da Vida, enquanto Anne Hathaway fez um discurso emocionado para comemorar a vitória na categoria de melhor coadjuvante, por Os Miseráveis. O que esses três filmes têm em comum? São adaptações literárias.

O ano está repleto de produções que transformam obras elogiadas em roteiros de cinema. Algumas seguem à risca os textos originais. Outras se permitem tomar liberdades – às vezes, alterando por completo o tom em que os autores imaginaram as tramas.

Um exemplo dessas versões “moderninhas” é Anna Karenina, que estreia nesta sexta (15). O longa dirigido por Joe Wright, de Orgulho e Preconceito e Desejo e Reparação, cria uma atmosfera de sonho para recontar o clássico de Tolstói, publicado pela primeira vez em 1877.

Também inventiva é a encenação de Os Miseráveis, ainda em cartaz na cidade: a saga de Victor Hugo, cuja primeira edição é de 1862, ganhou tradução musical no teatro e só então chegou às telas. Para garantir realismo às cenas, o diretor Tom Hooper optou por gravar ao vivo as cenas de cantoria.

Abaixo, veja mais cinco adaptações surpreendentes de clássicos que ainda não chegaram aos cinemas do Brasil:

O GRANDE GATSBY

Pouco se sabe sobre a nova versão do romance escrito por F. Scott Fitzgerald, de 1925, mas o diretor Baz Luhrmann (que transformou Romeu e Julieta em uma fábula contemporânea cheia de tiros e ação) promete uma tradução atípica para a trama, com Leonardo DiCaprio, Carey Mulligan e Tobey Maguire à frente do elenco. Quem viu Moulin Rouge, sabe que o cineasta adora brincar com referências de cultura pop – e não tem compromisso algum com o passado. No trailer do filme ouve-se músicas do rapper Jay-Z e da banda de rock U2. O longa abrirá o Festival de Cannes deste ano, que ocorre de 15 a 26 de maio. Estreia no Brasil em 7 de junho.

Muito Barulho por Nada

Muito Barulho por Nada

MUITO BARULHO POR NADA

Joss Whedon, diretor do sucesso Os Vingadores (2012) e da série Buffy, a Caça-Vampiros, dá a sua versão para a peça de William Shakespeare, já adaptada para o cinema em 1993. Os diálogos da comédia romântica de erros foram mantidos, mas o restante é novidade: o cineasta transfere a trama para cenários contemporâneos e a filma em preto-e-branco, com as câmeras tremidas de produções independentes. O longa foi exibido em 2012 no Festival de Toronto com elogios da crítica. Ainda não tem previsão de estreia no Brasil.

Pelos Olhos de Maise

Pelos Olhos de Maise

PELOS OLHOS DE MAISE

O romance escrito por Henry James em 1897 é encenado na Nova York dos dias atuais nesta produção dos diretores Scott McGehee e David Siegel, com Julianne Moore e Alexander Skarsgard no elenco. Na narrativa, o divórcio de um casal é observado por uma criança. O longa foi exibido no Festival de Toronto e teve suas primeiras fotos de bastidores divulgadas na internet. Ainda não há precisão de estreia no Brasil.

Frozen, o Reino do Gelo

Frozen, o Reino do Gelo

FROZEN, O REINO DO GELO

A animação da Disney, que estreia no Brasil em 27 de novembro, traduz de forma bem solta o conto de fadas do dinamarquês Hans Christian Andersen, de 1844. Na trama, uma menina faz uma jornada perigosa para tentar encontrar a Rainha do Gelo. A intenção é pedir para que ela encerre o longo inverno que castiga o reino em que a heroína vive. O desenho tem direção de Chris Buck, diretor de Tá Dando Onda, e Jennifer Lee, roteirista de Detona Ralph.

Eu, Frankenstein

Eu, Frankenstein

EU, FRANKENSTEIN

Roteirista de longas como 30 Dias de Noite (2007) e Austrália (2008), Stuart Beattie assina mais uma versão do personagem criado pela escritora inglesa Mary Shelley. Inspirada em uma história em quadrinhos de Kevin Grevioux (da série Underworld), a fita mostra que Adam, o monstro criado por Dr. Frankenstein, sobreviveu por séculos devido a uma anomalia genética. Nos dias de hoje, ele se envolve em uma briga secreta de clãs imortais. Estreia em 6 de setembro no Brasil.

Estudante

Estudante

ESTUDANTE

O drama produzido no Cazaquistão e dirigido por Darezhan Omirbaev transforma o romance Crime e Castigo, do russo Fiodor Distoiévski, em uma reflexão sobre temas contemporâneos como as transformações do capitalismo e a solidão nas grandes cidades. O cerne da trama é mantido – o personagem principal é um jovem que precisa lidar com as consequências psíquicas de um crime cometido por ele -, mas a trama não jura fidelidade ao texto original e segue por caminhos inusitados. Exibido na Mostra de São Paulo de 2012, ainda não tem previsão de estreia.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s