Escola gratuita para autistas funciona na Zona Norte

A Auma tem mais de duas décadas de atividade e recebe cinquenta estudantes

Um dos melhores presentes que Nathália Boralli, diagnosticada com autismo, ganhou de sua mãe na infância foi uma escola. “Nenhum colégio regular queria matriculá-la ou estava preparado para tê-la como aluna”, recorda a assistente social Eliana Boralli Mota, referindo-se à filha, que tem hoje 28 anos. Eliana começou improvisando dentro da própria casa uma sala de aula e contratou uma pedagoga para auxiliar no trabalho. A experiência deu origem ao Centro Educacional da Associação dos Amigos da Criança Autista Nathália Boralli.

Com mais de duas décadas de atividade, a iniciativa cresceu e virou uma escola oficialmente em 2010. A sede fica no Mandaqui, na Zona Norte. Ali, é feito o atendimento gratuito a crianças autistas e com síndrome de Asperger. Cerca de cinquenta estudantes, com idade a partir de 6 anos, frequentam o local, divididos em dois turnos diários. As atividades levam em conta as necessidades de aprendizagem: as orientações para executá-las, por exemplo, ficam expostas nas paredes, com diversos recursos visuais. “As crianças aprendem vendo, não ouvindo, e precisam saber de antemão tudo o que vão fazer no dia”, explica Eliana, que se tornou uma espécie de consultora sobre o assunto. Segundo ela, por ano, mais de 400 famílias de todo o país a procuram para pedir informação sobre o assunto. “Quero ajudar esses pais a conhecer melhor os filhos maravilhosos que têm”, diz.

Associação dos Amigos da Criança Autista. www.auma.org.br.

1/8
Instituição da Barra Funda investe em atividades inclusivas ( / Laramara atende crianças com deficiência visual)
2/8
Criada por duas amigas, a Tempo de Brincar promove festas para os doentes e seus pais ( / ONG alegra jovens internados em hospitais públicos)
3/8
A Auma tem mais de duas décadas de atividade e recebe cinquenta estudantes ( / Escola gratuita para autistas funciona na Zona Norte)
4/8
A ONG Sonhar Acordado realiza diversos tipos de ações de apoio a menores carentes ou doentes ( / Jovens voluntários promovem eventos culturais para crianças)
5/8
Na Vila Mariana, a Ahimsa auxilia jovens a se comunicarem ( / Crianças com múltiplas deficiências têm apoio de entidade)
6/8
Fundadoras da Clínica Comunitária Grei, as profissionais coordenam uma equipe que atende mais de 150 crianças carentes por mês ( / Psicólogas dão tratamento gratuito para vítimas de violência)
7/8
Lar transitório é o único da capital que acolhe crianças com menos de 1 ano de idade ( / Casa Bakhita cuida de bebês que foram retirados dos pais pela Justiça)
8/8
Com 110 crianças de 1 a 3 anos, a iniciativa é gerida pela associação internacional Amurt-Amurtel ( / Creche da periferia dá aulas de meditação e merenda vegetariana)
Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s