Ângela Dip leva personagem do Castelo Rá-Tim-Bum para o palco

A peça infantil inspirada na repórter cor-de-rosa Penélope, do <em>Castelo Rá-Tim-Bum</em>, estreia no sábado (29)

Peruca rosa, roupa, sapato e acessórios da mesma cor. Vestida assim, Ângela Dip leva pela primeira vez a jornalista do programa da TV Castelo Rá-Tim-Bum para o teatro. Penélope, a Repórter Cor-de-Rosa estreia no sábado (29), no Teatro Alfa.

Dias antes da apresentação, a atriz conhecida também pelo trabalho no Terça Insana está nervosa com a sua rouquidão. “A personagem fala mais fininho, espero melhorar até o fim de semana”, lamenta. A voz é crucial neste momento da artista porque, além da peça infantil, ela está em cartaz com a comédia Chá com Limão, no Teatro Geo, e com o monólogo Só Para Mulheres, no Teatro JK.

+ Ângela Dip comanda “stand-up’ exclusivo para o público feminino

Penélope, no entanto, exige um pouquinho mais da humorista. Ela comanda o espetáculo infantil praticamente sozinha, com ajuda apenas do assistente Ulisses, interpretado por Robson Villsac. Na história, a repórter chega para gravar seu programa e se depara com um estúdio vazio. Sem diretor, câmera ou qualquer outra pessoa da equipe, ela explica como se faz uma produção televisiva. “No final, escolho duas crianças e as entrevisto no palco”, conta Ângela.

+ Seis espetáculos infantis encerram temporada neste fim de semana

Com foco apenas na jornalista de cabelo rosa, a peça aborda três questões principais: o porquê do nome da personagem, o uso do rosa e a escolha da profissão. Para os curiosos, VEJA SÃO PAULO já adianta duas respostas. Confira abaixo a conversa com Penélope:

VEJA SÃO PAULO — Por que você se chama Penélope?

Penélope — Meu pai gostava muito de ler sobre a Grécia Antiga. Quando eu nasci, ele se inspirou na personagem da mitologia grega, que era a esposa de Ulisses. Por coincidência, esse é o nome do meu ajudante. [risos]

VEJA SÃO PAULO — Por que sua cor favorita é o rosa?

Penélope — Quando eu era pequena, meu pai e minha mãe tinham uma empresa que fabricava bichinhos de pelúcia. Quando ela fechou, sobrou muita pelúcia rosa, que foi usada para fazer minhas roupas e bolsas. Tudo na minha vida passou a ser de pelúcia rosa! Continuo usando porque lembra a minha infância.

 

Saiba mais sobre o espetáculo aqui.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s