Os bares ideais para paquerar conforme seu estilo

Confira endereços de acordo com seu público que têm clima para terminar a noite acompanhado

Luz amena, música alta e clima de festinha são características que faciliam a azaração em bares. Nesse quesito, a cidade conta com endereços para todas as idades e estilos, a exemplo do clássico Charles Edward, ponto de encontro de quarentões para cima, e do Numero, com um pessoal mais playboy e arrumado.

+ Bons lugares para paquerar: 20 e poucos anos

Seja qual for o seu tipo, listamos abaixo um roteiro com bares ideais para paquerar. Confira:

Salão do bar Número, projeto de Isay Weinfeld, nos Jardins - Fernando Moraes

Salão do bar Número, projeto de Isay Weinfeld, nos Jardins – Fernando Moraes

PLAYBOYS

Para ingressar no Numero, é necessário atravessar uma espécie de passarela ladeada de espelhos até chegar à hostess. Recomenda-se fazer reserva antes de aparecer e ficar de olho na consumação mínima cobrada em alguns dias da semana. Confortáveis poltronas de couro, paredes revestidas de veludo e iluminação milimetricamente estudada compõem a impecável decoração do endereço, frequentado por parte do jet set paulistano. Rapazes em camisas impecáveis e moças de salto finíssimo com pinta de modelo aparecem no lugar, que ganha atmosfera de balada nos fins de semana, sobretudo nas noites em que a pequena pista do subsolo é aberta.

MAIS DE 40 ANOS

O público maduro não abandona o Charles Edward. Ao som ao vivo de pop rock e flashbacks, o pessoal de 40 anos para cima vai ao lugar com a intenção de dar uma nova chance ao amor — ou à paquera, ao menos. É comum circular pelo espaço com cara de pub segurando uma long neck de cerveja enquanto se exerce a troca de olhares. Tem uma parruda seleção de destilados.

Mandíbula

Mandíbula

HIPSTER

Escondido no 2º andar da Galeria Metrópole, o Mandíbula: virou um fenômeno hipster. Conformada com o espaço exíguo (vide a fila do único banheiro, sempre grande), a galera se espalha pelos corredores em grupinhos, conversando e fertando. A festa chega até a sacada, com vista para os belos edifícios antigos da Avenida São Luís. 

o do borogodo - raul zito

o do borogodo – raul zito

DESENCANADO

No Ó do Borogodó, os banheiros são precários, o espaço é apertado e há apenas um caixa para pagar o cartão de consumo. Mas nada disso abala o clima alto-astral. Com um quê de Lapa carioca, o pequeno boteco lota de gente bonita e desencanada, atraída pelos ótimos shows de nomes como Anaí Rosa, Giana Viscardi e mais um bom punhado de bambas. Muitos gringos, com suas inseparáveis caipirinhas na mão, também costumam entrar na dança. Quando o clima esquenta, algumas mesas são arrastadas e dão lugar a uma pista onde casais rodopiam sem se importar com a muvuca.

Tatu Bola - Vila Olímpia

Tatu Bola – Vila Olímpia

DO ESCRITÓRIO

O público do Tatu Bola, de linhagem corporativo-arrumadinha e sedento por paquera, aparece em peso na matriz do Itaim Bibi e na filial da Vila Olímpia. Cheio de ânimo para conhecer um par, o pessoal na altura dos 30 anos beberica (e como!) cervejas em garrafa e boas caipirinhas. A casa acaba de abrir uma unidade nos Jardins.

ROQUEIRO 

O salão do Razzmatazz vive tomado de gente na faixa dos 30 anos. Um lance de escada leva ao piso inferior, que pode ser reservado para aniversários e outras efemérides. Nas caixas de som, os sócios costumam botar para tocar canções de bandas conhecidas do grande público, como Blur e Oasis, e outras nem tanto, caso de Avi Buffalo e Dandy Warhols.

+ Conheça os 10 bares mais curiosos de São Paulo

Igrejinha

Igrejinha

GAY

No Baixo Augusta, o Igrejinha foi adotado pelo público gay e moderno para fazer o esquenta e comemorar aniversários. Como o espaço é exíguo e há pouquíssimas mesas, o pessoal não para de transitar pelos dois ambientes: o bar na entrada e a “sala de estar” dos fundos, que não raro se transforma em pista com clima de festinha caseira. Às quintas, as poltronas são tiradas para receber a noite de eletrônico Igreginga, uma das mais bombadas.

UNIVERSITÁRIO

Lil’ Square é o lugar. Com vocação para pré-balada, embalado por indie rock e música eletrônica não raro executados por DJs, o bar recebe um público tão jovem e descolado quanto os quatro sócios, nenhum deles com mais de 30 anos. Vale qualquer coisa para aproveitar o ambiente propício à interação: quem não arruma uma mesa no salão de decoração moderninha se aboleta no diminuto balcão ou então se espalha pelo quintal dos fundos, aberto para uma charmosa vila comercial.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s