Al Baladi serve pratos árabes em porções generosas no Itaim

Saíram do caderno de receitas familiares dos donos algumas das sugestões clássicas, caso do sedoso quibe cru

Rica em condimentos, a culinária árabe encontra-se entre as favoritas dos paulistanos. No Itaim, um dos bairros mais agitados da cena gastronômica na cidade, ela pode ser provada desde novembro no Al Baladi. O restaurante ocupa o mesmo ponto onde funcionou o misto de bistrô e confeitaria St. Honoré, endereço francês que não durou um ano. Esse novo inquilino herdou toda a estrutura de seu antecessor.

Conserva mesas dispostas na agradável varanda da entrada e em dois salões. A vitrine para doces também permanece por lá, embora, entre as guloseimas expostas, só o malabie na calda de damasco (R$ 11,00) seja de produção própria.  

O fogão está nas mãos do chef Renato Haddad, que tem como sócios o primo Leonardo Yunes e os empresários Bruno Farah Nassif Laporta e Marcel Gholmieh, todos de ascendência libanesa. Saíram justamente do caderno de receitas familiares dos donos algumas das sugestões clássicas.

São de primeira duas versões de quibe, a crua de textura sedosa e a assada com recheio de carne moída misturada a pinhole, chamado de snoubar (R$ 24,00 cada uma). Mostram-se atraentes ainda as pastas coalhada seca, babaganuche e homus, em uma versão especial feita de grão-de-bico processado e misturado a beterraba. O trio custa R$ 27,00. Das criações do cozinheiro, a salada odalisca combina quinoa, damasco, queijo chancliche, amêndoa e rúcula (R$ 28,00 a grande; R$ 16,00 a pequena).  

Al Baladi

Al Baladi

A seleção de pratos principais inclui o arroz de carneiro feito de grãos soltinhos cobertos por lascas de carne, molho de coalhada, pistache pilado e uma cebola deliciosamente queimada (R$ 29,00). Na medida para um paladar, o combo intitulado baladino reúne uma esfiha de carne, pasta de queijo chancliche, quibe cru e o delicioso charuto de uva. Sai por R$ 36,80.  

Há cervejas como a Eisenbahn Pilsen (R$ 10,00) ou destilados como áraque (aguardente de anis; R$ 11,00). A limitada lista de vinhos traz entre os brancos o argentino Paso Sauvignon Blanc/Chardonnay 2012 a caros R$ 68,00. 

COMIDA ✪✪✪ | AMBIENTE ✪✪✪ | SERVIÇO ✪✪✪

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s