Zélia Lopes fala de carnaval em livro

Com camisas listradas, os integrantes do bloco Rancho Folião Paulista circulavam pelo Bexiga, em 1932, cantando paródias de músicas famosas. Eram, provavelmente, uma dissidência do Cordão dos Moderados, de operários da comunidade italiana da Água Branca. “Nas décadas de 20 e 30, havia um resgate da brasilidade e dos elementos populares, inspirado no movimento dos artistas modernistas”, afirma a historiadora Zélia Lopes da Silva, autora do recém-lançado livro Os Carnavais de Rua e dos Clubes na Cidade de São Paulo, das editoras Unesp e Eduel. “A ideia era romper com o modelo de Carnaval europeu, em que as famílias burguesas faziam desfiles de carros e bailes chiques pela cidade.”

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s