Trem das Onze existiu, mas o último saia às 20h30

A locomotiva acima serviu de inspiração para a canção Trem das Onze, de Adoniran Barbosa. Pelos 28 quilômetros da Tramway da Cantareira, ferrovia que ligava a cidade à serra, corria o trem eternizado na música. É verdade que o último não costumava partir às 11 horas – e sim às 20h30. Licenças poéticas à parte, a Jaçanã e outras dezenove estações existiram. Construída no fim do século XIX, a linha chegou a transportar 10.000 passageiros por dia na década de 40. Em 1965, foi desativada. Um pedacinho dessa história pode ser conferido no Sesc Santana, que exibe até fevereiro o curta-metragem Lembranças do Trem das Onze, de Rogério Nunes.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s