São Paulo tem maior número de ataques a residências em três anos

A cada hora, pelo menos um lar paulista é invadido; neste ano, já aconteceram até abril 3 382 roubos

O empresário Miguel Antonio dos Santos, de 56 anos, de Sorocaba, interior de São Paulo, ainda não se livrou do trauma causado pelo assalto à mão armada que sofreu em sua casa, com a família, em abril de 2016. Um dos filhos tinha acabado de sair com o carro para o trabalho e o portão automático ainda não tinha fechado, quando os dois ladrões entraram. A mulher, a filha e um empregado foram dominados. “Eu dormia no quarto, quando fui acordado com o cano da arma batendo em minha cabeça.”

Os bandidos amarraram Santos e vasculharam a casa, recolhendo 1 200 reais em dinheiro, quatro celulares, relógios, TVs e as joias da família. “O bandido ficava engatilhando o revólver, apontando para a cabeça da minha filha.” Por fim, jogaram tudo sobre a caminhonete de Santos e também levaram o veículo.

A cada hora, pelo menos um lar paulista é invadido. E o número de roubos a residências em 2016 foi o maior em três anos. Só no ano passado aconteceram 10 905 roubos dessa natureza, elevação de 8,5% ante o ano anterior.

Desde 2014, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) analisa o perfil dos roubos no estado. Naquele ano, os casos contra residências representavam 2,23% do total – hoje chegam a 2,54%. Neste ano, já ocorreram até abril 3 382 roubos – leve desaceleração em relação ao mesmo período de 2016. Mas os dados não incluem registros de furto, quando não há violência ou grave ameaça a pessoas. Um arrombamento de imóvel, por exemplo, pode ser classificado como furto qualificado. Os furtos passaram de 495 334 para 514 820, entre 2015 e o ano passado.

O que os números mostram é o que empresas especializadas em oferecer sistemas de segurança privada já sentem na prática. E síndicos e vítimas desses assaltos têm redobrado a atenção nas portarias, por exemplo. Paulo – que não quis divulgar o sobrenome – chama de “incidente” o que houve em abril no prédio da zona sul da capital onde é síndico. Um homem se disse ser hóspede de um morador e teve a passagem liberada. “Ele e um cúmplice entraram em um apartamento e fugiram levando objetos de valor.”

O episódio levou os condôminos a prestarem atenção para a segurança do local. Está marcada para amanhã uma reunião onde serão apresentados os custos para reformas e aprimoramento do sistema de segurança, que ficou em torno de 60 000 reais. Apesar do crime, o prédio já contava com um sistema reforçado, que inclui reconhecimento por digital dos moradores e um circuito de câmeras cujas gravações são armazenadas automaticamente em nuvem (online). “Mas não havia nenhum tipo de identificação para os ‘caronas’, os não moradores, o que acabou representando a maior vulnerabilidade”, disse.

Só que a sofisticação dos criminosos não para. Alexandre Judkiewics, diretor nacional de operações do grupo GR, relata ações criminosas que já incluem o monitoramento pelas redes sociais. “Checam se a família está viajando e, a partir daí, conseguem o telefone da portaria, ligando e se passando por algum morador para liberar acesso.”

Segundo Angélica Arbex, gerente de Relacionamento com o Cliente da Lello – que administra cerca de 2 400 condomínios -, é comum a atenção ao tema só ganhar força quando os moradores se tornam vítimas. A segurança, diz, tem de ser um “dos principais pilares da convivência” dessas comunidades. E aponta um tripé para explicar o sucesso dos condomínios seguros: síndico preocupado; condôminos obedientes às regras; e equipamentos adequados. “Não adianta pôr 42 câmeras para o porteiro ficar assistindo em uma tela de 14 polegadas.”

A SSP disse que, desde 2016, desarticulou ao menos dez quadrilhas, o que esclareceu 35 casos na capital e na Grande São Paulo. Dentre esses, está a prisão de quatro suspeitos de roubos no Morumbi, no Itaim-Bibi e em Pinheiros. Acrescentou que as Polícias Civil e Militar têm reuniões para identificar a atuação de criminosos.

Sobre as estatísticas, o governo destacou que, nos quatro primeiros meses, caiu a participação de ocorrências a residências ante o total de roubos.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s