Quadrilha que assalta clínicas oftalmológicas é investigada

Grupo é acusado de roubar quase sessenta estabelecimentos no interior de São Paulo

Um assalto ocorrido no dia 17 de janeiro deste ano, uma segunda-feira, vem preocupando os oftalmologistas da cidade. Em apenas duas horas, uma quadrilha invadiu e fez a limpa na unidade de Moema da clínica Visus Oftalmologia — há outra unidade no bairro Chácara Santo Antônio. O crime foi cometido à luz do dia, por volta das 18h, quando cinco médicos e sete funcionários davam expediente e cerca de quinze pacientes aguardavam para ser atendidos.

De revólver em punho, os bandidos — três homens e uma mulher, que fingiam estar ali para marcar consulta — prenderam todos os presentes em uma sala e recolheram bolsas, carteiras e celulares. O alvo da ação, no entanto, eram doze equipamentos técnicos, avaliados em 400.000 reais e protegidos por seguro. Para desmontá-los, os criminosos exigiram a cooperação dos médicos.

Descrita como uma moça bonita, a mulher da gangue vestiu um jaleco e assumiu o papel de recepcionista para render os clientes que ainda estavam para chegar. “Foram duas horas de pavor”, lembra um dos sócios da clínica, o oftalmologista Lauro Augusto de Oliveira, também professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). “O pior é que agora podemos desconfiar que novos pacientes sejam, na verdade, assaltantes.”

O episódio está sendo investigado pelo 16° Distrito Policial. A suspeita recai sobre uma gangue especializada em roubar equipamentos oftalmológicos desbaratada pelo Departamento de Investigações sobre Crime Organizado (Deic) em 2008. Parte dos integrantes está foragida. O grupo é acusado de ter rapinado quase sessenta clínicas em cidades do interior, como Bragança Paulista, e bairros da Zona Sul da capital.

A mesma unidade da Visus Oftalmologia invadida no mês passado teve dois aparelhos roubados três anos atrás. Na época, os ladrões se faziam passar por vendedores. Os prejuízos somam mais de 5 milhões de reais. Uma empresa de fachada revendia para outros médicos o material surrupiado, às vezes pela internet, como se fosse seminovo. Para tentar coibir a receptação, o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) criou um cadastro com a relação dos produtos levados. “Quem adquire um equipamento caro pela metade do preço tem de desconfiar que sua procedência pode não ser lícita”, afirma o delegado Paulo Henrique, titular do 16º DP e responsável pelo caso.

 

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s