“Cansei de viver escondida”

Leonilda Lopes da Silva voltou para a casa da família em uma favela da Zona Sul

“Não deixei nada para ninguém. Velho é muito humilhado na cadeia”, resmungava Leonilda Lopes da Silva, de 58 anos, ao partir do Centro de Progressão Penitenciária do Butantã, em 8 de outubro. Nas mãos, um saco cheio de roupas, uma sacola com outros pertences (como cotonetes) e uma cesta com doces e batom que ganhou em um concurso de redação. Nos anos 90, era sacoleira, quando, em sua versão, descarregou o revólver nas costas de um ladrão que sempre tomava seu estoque. Passou presa de 1994 a 1998, ano em que conseguiu o direito de trabalhar fora em regime semiaberto e aproveitou para fugir. Ficou foragida até 2011, quando se entregou espontaneamente. “Cansei de viver escondida.” A volta para a casa da família (filha, genro, netos e uma bisneta), em uma favela da Zona Sul, pegou a mãe, que tem 82 anos e mora em um barraco próximo, de surpresa. Ao avistá-la, começou a gritar como uma criança, puxando a filha pela blusa, agarrando-se a seus cabelos longos e brancos. Quase foram ao chão. “Mãe, eu voltei, e desta vez é para sempre”, prometia, cercada por lágrimas dos parentes.

+ Presos experimentam o primeiro dia de liberdade

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s