Exército começa a atuar no combate à dengue na capital

Militares encontraram larvas e exemplares do mosquito nas residências visitadas no primeiro dia da ação, nesta quinta-feira (23), na Zona Norte

Nesta quinta-feira (23), a prefeitura divulgou o balanço atualizado de casos de dengue na capital neste ano. Do dia 1º de janeiro ao dia 11 de abril, 20 764 pessoas foram infectadas com a doença. Para efeitos de comparação, 29 011 haviam sido registradas durante todo o ano passado, apenas 29% a mais do que o número computado em menos de quatro meses de 2015.

Diante da alta incidência, a prefeitura fechou uma parceria com o Exército para visitar as residências dos paulistanos, alertando para os focos de infecção, como pneus e garrafas pet que acumulam água parada.

+ Prefeitura pede ajuda de Exército para combater a dengue

+ Inhame ajuda no combate da dengue?

A primeira ação ocorreu nesta quinta-feira, no bairro do Limão, na Zona Norte. A princípio, a região será a única que receberá a mobilização, mas é possível que se estenda a outros locais. Durante as visitas, militares batiam na porta das casas ao lado de funcionárias da secretaria municipal de Saúde.

“Eu me sinto mais segura quando vejo que o Exército está acompanhando, dá mais confiança pra deixar esses estranhos entrarem na casa da gente”, comenta a dona-de-casa Lourdes Sozza. As visitas duram aproximadamente dez minutos e estão previstas para ocorrerem por um mês.

+ Atacante do Corinthians é internado com suspeita de dengue

O coronel Ricardo Piai Carmona afirma que cinquenta militares do exército foram escalados para a ação. “A meta é de vistoriarmos 25 casas por dia”, conta.

Nas três visitas acompanhadas por VEJA SÃO PAULO, entre as ruas Oliveira Barbosa e São Romoaldo, foram encontrados vários focos do mosquito em calhas no telhado, garrafas, vasos de plantas, baldes ou pneus. “Garrafas e baldes são os campeões de focos que as pessoas ignoram”, afirma Maria Coelho Dias, uma das funcionárias da secretaria.

+ Quais os riscos de pegar dengue durante a gravidez?

Na casa do aposentado Augusto Bernal, os militares também detectaram larvas e exemplares do mosquito. O morador vive com um neto bebê na residência. “Não fico com medo, essa água acumulada aí foi do ‘toró’ de ontem. Tenho mais medo pelo meu netinho mesmo, mas vou seguir as instruções da prefeitura”, diz.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s