Prédios dominam a Praia Grande, em Ubatuba

Edifícios de quatro andares com coberturas milionárias começam a substituir os sobrados das décadas de 70 e 80 na atual vedete dos corretores

Encontrar um terreno no 1,5 quilômetro de orla da Praia Grande, uma das mais famosas de Ubatuba, é uma tarefa quase tão difícil quanto cavar um lugar ao sol em suas areias lotadas durante o verão. Não é exagero. Resta apenas um lote disponível à beira-mar. O preço do metro quadrado? Quinhentos reais. Há outros seis terrenos sem vista para a praia (média de 250 reais o metro quadrado). E só.

“A Praia Grande é a maior vedete da cidade e a mais procurada pelos lançamentos imobiliários hoje”, diz o secretário municipal de Arquitetura e Planejamento Urbano, Rafael Ricardi Irineu. Motivos não faltam. O principal deles é o esgoto 100% tratado. A maioria dos terrenos, em geral planos e com pouca vegetação, está livre de restrições ambientais, algo incomum num município que tem mais de 80% de seu território dentro dos limites de parques estaduais de proteção. Além de Toninhas e Itaguá, a Praia Grande é uma das poucas a permitir edifícios de até quatro andares (sem contar a cobertura) em sua orla.

Atualmente, existem no bairro 4 300 apartamentos. Mas esse número não pára de crescer. Com onze empreendimentos em construção, a Praia Grande parece um canteiro de obras. Só no ano passado, foram sete lançamentos e já há outros seis previstos para 2008. “Todo ano surgem cerca de 500 novas unidades”, afirma o empresário Paulo Pinotti, do grupo Atmosfera, responsável pelo primeiro empreendimento de alto padrão, o Grand Bali, e por outros três lançamentos. Em todos eles, o metro quadrado não sai por menos de 2 000 reais. Com piscina, espaço gourmet e sala de cinema, os novos edifícios destoam da velha vizinhança formada por casas e sobrados das décadas de 70 e 80.

O apetite voraz da expansão imobiliária começa a engolir as casas do canto direito da praia. “Como as terras praticamente acabaram, a tendência agora é demolir esses imóveis e erguer novos edifícios no lugar”, afirma Haroldo Souza, gerente comercial da Coli, uma das principais incorporadoras da região. Apesar do congestionamento de carros nas ruas e dos guarda-sóis na praia, as construtoras garantem que o bairro está preparado para crescer. Calcula-se que haja espaço para mais 2 100 apartamentos, num total de 6 400 unidades, o máximo que o sistema de tratamento de esgoto daria conta de atender.

O boom do luxo não se restringe à Praia Grande. Tradicionalmente movimentada e com predomínio de casas de classe média, a Praia das Toninhas também é alvo dos empreendedores AAA. Com 137 lotes (dos quais cerca de dez estão à venda) e 55 casas, o Condomínio Ponta das Toninhas virou reduto de bacanas. Localizados no alto de um morro, muitos dos terrenos têm vista cinematográfica para o mar. As casas, todas com mais de 400 metros quadrados de área útil, são negociadas a partir de 1 milhão de reais. “Usamos uma prainha exclusiva, com acesso por uma trilha que começa no loteamento”, diz Filippo Frenda, presidente do condomínio. “Isso valoriza os imóveis.”

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s