Pesquisa: receita escolar

Hoje, boa parte dos cozinheiros dos estabelecimentos de São Paulo nasceu no país e possui uma boa formação

Num passado não muito distante, a maioria dos postos nas cozinhas dos restaurantes paulistanos era ocupada por migrantes com baixa escolaridade. Nos lugares mais sofisticados, achar um brasileiro no comando das caçarolas era raro. Essas posições ficavam quase sempre nas mãos de estrangeiros. Na última década, porém, houve uma transformação radical nesse panorama. Hoje, boa parte dos cozinheiros dos estabelecimentos de São Paulo nasceu no país e possui uma boa formação escolar — não raro, especializada na área. Segundo a pesquisa de VEJA SÃO PAULO, 26% dos chefs fizeram faculdade de gastronomia.

+ Veja pesquisa completa

+ Pesquisa: prazeres e dividendos

+ Dê sua opinião sobre a pesquisa

A pioneira na formação dessa mão de obra foi a Anhembi Morumbi, que lançou um curso em 1999. Outra referência é o Senac. “Fomos os primeiros a ter a tecnologia em gastronomia reconhecida pelo Ministério da Educação, em 2001”, diz Gisela Brandão, coordenadora da área gastronômica. Posteriormente, multiplicaram-se as escolas dedicadas ao ensino de arte culinária: FMU, Hotec e Unip, entre outras.

Nessa área, a novidade é a chegada da universidade carioca Estácio em parceria com a Alain Ducasse Formation, conhecida pela sigla ADF. Em busca do ascendente número de interessados na carreira de chef, a escola, liderada por um dos cozinheiros franceses mais estrelados do mundo, estreou em março na Chácara Flora. De mensalidade, cada um dos sessenta estudantes desembolsa 1.500 reais. A inauguração do câmpus, no qual a universidade estima ter investido 7 milhões de reais, está prevista para 1º de junho, com a presença do próprio Ducasse. 

+ Pesquisa: na frente do fogão

+ Pesquisa: meu menu e a panela do vizinho

 

AS FACULDADES DE GASTRONOMIA MAIS FREQUENTADAS PELOS CHEFS

1º Anhembi Morumbi

2º Senac

3º FMU

QUAIS CURSOS FIZERAM OS CHEFS COM FORMAÇÃO ESPECIALIZADA

Faculdades de gastronomia — 27%

Cursos técnicos no exterior — 15%

Não tiveram formação especializada — 58%

DESTINOS PREFERENCIAIS PARA ESTÁGIOS E CURSOS

1º França

2º Itália

3º Espanha

FORMAÇÃO

Até o ensino médio…………………………28%

Curso técnico especializado no exterior …15%

Superior incompleto………………………..18%

Superior completo ………………………….30%

Pós-graduação …………………………………9%

PARTICIPAÇÃO EM CONGRESSOS DE GASTRONOMIA

67% — Sim

33% — Não

SE NÃO FOSSE COZINHEIRO, QUAL SERIA SUA PROFISSÃO?

1º — Músico e publicitário

2º — Atleta e engenheiro

3º — Médico ou enfermeiro

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s