Paolo Parise comanda paróquia que acolhe imigrantes e refugiados

No apoio, um time de funcionários e voluntários tenta obter documentos, atendimento psicológico e ministram cursos de português

No dia 10 de abril, São Paulo recebeu uma leva de 700 imigrantes haitianos em situação de emergência. Instalado anteriormente em Brasileia, pequena cidade no sul do Acre, o grupo teve de deixar o local às pressas após as enchentes no Rio Madeira. Sem casa, dinheiro nem emprego, os desabrigados foram acolhidos na Paróquia Nossa Senhora da Paz, na Baixada do Glicério, no centro.

+ Conheça mais paulistanos especiais

Há quase um mês, lotam o pátio da instituição e, além de uma cama e almoço, recebem ajuda para regularizar sua situação no Brasil. O espaço, mais conhecido como Missão Paz, é comandado desde 2010 pelo padre Paolo Parise.

Nascido em Marostica, no nordeste da Itália, ele começou a trabalhar com essa causa no sul daquele país em 1984 auxiliando moradores do norte da África que cruzavam o Mediterrâneo em botes atrás de uma vida melhor na Europa. Chegou ao Brasil em 1992 e atuou em missões no Guarujá, no litoral paulista, e no Grajaú, na Zona Sul, antes de se instalar no endereço atual.

Construída em 1940, a Paróquia Nossa Senhora da Paz nasceu  originalmente para atender à colônia italiana. Ligada à congregação católica scalabriniana — cujo objetivo é oferecer assistência a imigrantes —, passou a acolher comunidades coreanas, vietnamitas, africanas e latinas a partir de 1968.

Não são apenas os hóspedes que vêm de diversas regiões do mundo. Ao lado do italiano Parise, atuam na missão o colombiano Luis Espinel, o mexicano Alejandro Cifuentes e o brasileiro Antenor Dalla Vecchia. No apoio, um time de 39 funcionários e vinte voluntários trabalha em diferentes tarefas, como obtenção de documentos, atendimento psicológico, ministrando cursos de português e fazendo contato com empresas dispostas a oferecer emprego.

Desde 2008, 53 300 estrangeiros receberam ajuda no local. “Acolher essas pessoas, entendendo sua história e identidade, dá a oportunidade de construir uma cidadania universal”, diz Parise. “Precisamos vê-las como uma possibilidade de aprendizado de uma nova cultura.”

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s