Teatro para aplaudir de segunda a quinta

Confira uma seleção de quatro peças para curtir depois do trabalho

Quando o espetáculo é bom, vale a pena esquecer a tradição de aproveitar a peça somente nos finais de semana. Veja abaixo uma seleção para sair da rotina:

+ “Nise da Silveira – Senhora das Imagens” mistura terapia e arte

+ Alguns Blues do Tennessee em cartaz no Viga Espaço Cênico

SEGUNDA-FEIRA: “CINE CAMALEÃO — A BOCA DO LIXO”, de Paulo Faria.

Drama. Entre as décadas de 60 e 80, a região central batizada de Boca do Lixo reuniu as principais produtoras de cinema de São Paulo. A Cia. Pessoal do Faroeste reconstitui essa história. Mel Lisboa interpreta uma cantora que decide financiar um filme desde que protagonize uma cena de sexo explícito e chama Tony Reis (papel de Roberto Leite) para tocar a produção. Frustrado por não realizar filmes de arte e depender da pornochanchada, ele topa, mas tenta tirar proveito da situação. A irônica dramaturgia costura bem a metalinguagem, representada ali por projeções do filme que desenrola a trama. Direção do autor (70min). 16 anos. Estreou em 15/10/2011. Avaliação ✪✪✪

TERÇA-FEIRA: “VALSA Nº 6”, de Nelson Rodrigues.

Monólogo dramático. O único solo do dramaturgo traz Sônia, garota de 15 anos morta com uma facada. Dirigida por Marco Antônio Braz, Lívia Ziotti se sai bem na pele da personagem que, em uma reflexão profunda, tenta reconstituir sua vida e entender como morreu. A sacada, no entanto, é colocar no palco o próprio Nelson Rodrigues (interpretado pelo ator Rodrigo Fregnan), que interfere na encenação lendo as rubricas para o texto e dirigindo a personagem (50min). 14 anos. Estreou em 12/11/2011. Avaliação ✪✪✪

QUARTA-FEIRA: “COMUNICAÇÃO A UMA ACADEMIA”, adaptação de Roberto Alvim para conto de Franz Kafka (1883-1924)

Comunicação a uma Academia

Comunicação a uma Academia

Monólogo dramático. Transposto ao palco, o texto escrito pelo autor checo em 1917 traz Juliana Galdino em uma impressionante interpretação que lhe valeu uma indicação ao Prêmio Shell entregue em 2010. Em um ano concorrido, ela perdeu para Fernanda Montenegro (pelo espetáculo “Viver Sem Tempos Mortos”), mas conquistou o público que a assiste em sucessivas temporadas. Apoiada pela ótima história e suas ironias sobre o tênue limite entre humanos e animais, a atriz se transfigura — de macaco se torna homem. Direção do adaptador (60min). 16 anos. Estreou em 4/3/2009. Avaliação ✪✪✪

QUINTA-FEIRA: “O LIBERTINO”, adaptação e direção de Jô Soares para peça de Eric-Emmanuel Schmitt

O Libertino

O Libertino

Conduta moral, ética, sexo e relações de poder são os temas da comédia criada com base em outra faceta do filósofo Denis Diderot (1713-1784), a de um mulherengo. Cassio Scapin vive o protagonista, que entra em conflito com sua mulher (Tânia Castello), uma amante (Luciana Carnieli) e uma jovem (Luiza Lemmertz) amiga de sua filha. Em meio ao afinado elenco, o destaque vai para Érica Montanheiro, como a filha de Diderot. Com Daniel Warren (90min). 16 anos. Estreou em 13/10/2011. Avaliação ✪✪✪ 

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s