Pais de quíntuplos pedem ajuda financeira para os recém-nascidos

Os cinco bebês estão na UTI neonatal do Hospital Sepaco, na Vila Mariana. Família é de Santos e não tem dinheiro para itens básicos para as crianças

 

A encarregada de vendas Karina Barreira, de 35 anos, começava a pensar em engravidar quando descobriu que tinha a parede do útero fina e precisaria tomar hormônios. O tratamento era leve e, a princípio, não deveria superestimular a ovulação. Ela e o marido, João Biagi, de 36 anos, não queriam correr o risco de ter gêmeos – ele está desempregado e o casal vive em uma casa alugada de dois quartos no bairro Canal 5, em Santos, no litoral paulista.

Isso foi há sete meses. Hoje, Karina e João são pais de quíntuplos, nascidos na segunda-feira (13) no Hospital Sepaco, na Vila Mariana, Zona Sul da capital.

+ Leia entrevista com viúva de cego morto no metrô

Além do risco, esse tipo de gravidez é raríssima. As chances de uma mulher engravidar de quádruplos são de uma em cada 40 milhões. Cinco fetos, então, é algo tão atípico que a literatura médica mal calcula – acredita-se que essa proporção suba para uma em cada 55 milhões.

“Nos últimos 100 anos, no Brasil, só tivemos três registros desse tipo de gravidez. Eu sei que na minha carreira como médico jamais verei isso de novo”, conta o diretor clínico do Hospital Sepaco, Linus Pauling Fascina.

Em Santos, Karina não encontrou o amparo necessário e veio ter os filhos em São Paulo. “Era como uma bateria de escola de samba. Sentia chutar para todos os lados”, conta ela, que precisou ficar na UTI após o parto para tratar uma anemia, situação normal quando há muita perde de sangue. “Os dois últimos meses foram os mais difíceis.”

Karina deixou a unidade na tarde de quarta e deve ter alta do hospital até amanhã. Os bebês, que ainda não têm nome, seguem na UTI neonatal, onde devem permanecer pelos próximos dois meses para ganhar peso e se desenvolver.

+ Dezessete programas para ir com crianças de metrô

Três obstetras, dois anestesistas, oito pediatras e nove enfermeiros acampanharam o parto, que também foi filmado (confira vídeo acima).

Karina

Karina

São quatro meninas e um menino. Ele é o maior, com pouco mais de 1 quilo. Mas o xodó dos médicos se mostra uma das meninas, que foi quem precipitou o parto aos 7 meses. Era a menor de todas, e hoje está com mais peso que as três irmãs. Todas evoluem bem e só uma ainda respira com ajuda de aparelhos.

+ Tire dúvidas médicas no blog Pergunte ao Doutor

Agora, a família se preocupa com a volta para casa. Ganhou fralda suficiente para um ano, mas não possui carro para chegar até Santos, nem carrinho de bebê, nem o leite especial dos prematuros. Muitas doações têm chegado diretamente ao hospital. Há uma conta disponível para depósitos: banco Caixa Econômica Federal; agência 1613; conta poupança 67612-5; em nome de Karina Barbara Barreira.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s