Orlando Orfei, lenda do circo mundial, morre aos 95 anos

Italiano morava no Brasil desde a década de 60; reconhecido internacionalmente, Orfei inovou a atividade circense e foi até recebido por papas

Dono de um dos circos mais populares do país, Orlando Orfei morreu na noite do último sábado (1º), aos 95 anos, em um hospital de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, onde estava internado desde o dia 18 de julho, por causa de uma pneumonia. Orfei nasceu em Riva del Garda, lugarejo de Trento, na Itália e aos cinco anos já atuava nos picadeiros, como palhaço mirim. Foi equilibrista, malabarista e mágico antes de assumir o papel definitivo de domador. Ainda jovem abriu o próprio circo e começou a carreira de sucesso mundial. Conheceu o Brasil no fim dos anos 60 e decidiu se estabelecer no país.

Orfei foi responsável por várias inovações no mundo circense. Substituiu a propaganda em folhetos por grandes outdoors, trocou as pesadas e perigosas lonas de algodão por plástico e criou um sistema para aquecer os circos durante o inverno europeu.

+ Ciclista morre atropelado na Zona Sul da cidade

Como domador, Orfei procurou dar humor ao ofício marcado pela crueldade. Sentava nos leões, simulava fazer a barba com o rabo de um, deitava ao lado de outro, conversava com os animais.

Nos anos 70, o Circo Orlando Orfei já era um dos maiores do país, ao lado dos circos Garcia, Tihany, Bartolo e Di Napoli. O italiano instalou a sede em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, onde passou a morar. Foi o criador do Tivoli Park, um dos mais procurados pontos de lazer do carioca, que funcionou durante 23 anos, até 1995, na Lagoa, zona sul do Rio. Em 1986, fundou o Luna Park, em Nova Iguaçu. O circo encerrou as atividades em 2008.

+ Em dia de jogo, motoristas estacionam em calçada da Avenida Sumaré

A página de Orlando Orfei na internet relata os mais graves ataques sofridos por ele como domador. Em Mogi das Cruzes, durante uma briga de leões por uma fêmea no cio, no meio do espetáculo, Orfei foi salvo por um sobrinho, Federico, e levou 160 pontos no tórax. Muito popular também na Europa, foi recebido por quatro papas e tinha várias condecorações, do governo italiano e de estados e municípios brasileiros.

Orfei sofria de Alzheimer, mas mantinha uma boa qualidade de vida. O empresário era casado e tinha seis filhos. O corpo será sepultado na terça-feira (4) no cemitério de Mesquita, na Baixada Fluminense.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s