O que pensam os nossos estudantes

Jovens paulistanos entre 13 e 18 anos, de escolas públicas e particulares, falam livremente sobre os temas que mais mobilizam sua vida

A cidade de São Paulo tem 2,1 milhões de estudantes matriculados nos ensinos fundamental e médio em mais de 5.000 escolas — são cerca de 600.000 em instituições particulares e aproximadamente 1,5 milhão na rede pública. Trata-se de um imenso contingente de adolescentes que voltam às aulas neste começo de fevereiro.

Para entender o que se passa na cabeça deles, VEJA SÃO PAULO realizou um levantamento inédito sobre seus hábitos, comportamentos e opiniões. Os dados foram apurados a partir de uma pesquisa com 300 entrevistas e quatro rodadas de debates com 32 alunos — metade do 9º ano do fundamental e metade do 3º ano do médio. Nos encontros, os jovens falaram livremente (com a garantia de que os autores das frases não seriam identificados) sobre os temas que mais mobilizam sua vida. Mostraram- se surpreendentemente conservadores a respeito de assuntos como sexo e drogas, contaram como usam o celular na escola (inclusive para passar cola via torpedo), reclamaram muito da qualidade do ensino e demonstraram uma enorme preocupação com o futuro profissional.

Confira a opinião dos jovens estudantes sobre diversos temas nas matérias relacionadas:

*Os alunos que participaram dos debates estão matriculados nas seguintes instituições de ensino: Colégio Franciscano Pio XII, Colégio Horizontes Uirapuru, Colégio Imperatriz Leopoldina, Colégio Madre Alix, Colégio Integrado Objetivo, Colégio Rio Branco, Colégio Santa Cruz, Colégio Santo Agostinho, Escola Estadual Adelaide Rosa Fernandes Machado de Souza, Escola Estadual Educador Paulo Freire, Escola Estadual Irmã Dulce, Escola Estadual Jardim Montesano, Escola Estadual Júlia Lopes de Almeida, Escola Estadual Professora Leda Felice Ferreira, Escola Fundação Bradesco, Escola Municipal CEU Três Lagos, Escola Municipal José Maria Lisboa, Escola Nossa Senhora das Graças, Etec Guaracy Silveira e Instituto Federal de São Paulo.

1/5
Com o acesso à internet, cresceu a sensação de que a escola está cada dia mais desconectada da realidade ( / O que os estudantes pensam sobre o ensino)
2/5
Atualmente, a internet se tornou a principal arena para esse tipo de violência ( / Alunos de 11 a 13 anos sofrem mais com o bullying)
3/5
Métodos antigos são substituídos pelo uso de redes sociais e teconologia ( / Era digital faz parte da rotina estudantil)
4/5
Já são frequentes casos de estudantes flagrados em estado de embriaguez nas escolas ( / Comportamento dos estudantes paulistanos)
5/5
Com mais opções de carreiras, aumentam as dúvidas dos jovens ( / Estudantes contam o que pensam sobre o futuro)
Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s