Silencioso e sem cores, “O Artista” registra os primeiros passos do cinema

Filme narra ascensão e queda de um ator para contar a história da sétima arte

Minutos antes de ser exibido em Cannes, “O Artista” não empolgou os críticos. Passados dez minutos de projeção, os semblantes se desanuviaram, embora não houvesse cores ou sons: o filme havia cativado a audiência, e seu protagonista, Jean Dujardin, deixou o festival com a Palma de Ouro em mãos.

+ Os melhores filmes em cartaz; salas e horários

+ Oscar 2012: veja os concorrentes que já estão em cartaz

“O Artista”  já colecionou prêmios ao redor do mundo e segue cotado como o vencedor do Oscar de Melhor Filme. O filme parece mesmo ter sido feito sob medida para agradar a Academia: do humor chapliniano aos close-ups de Sergei Eisenstein, passa por referências a Orson Welles e o seu “Cidadão Kane” e à filmografia de Fred Astaire. Ou seja, o longa é uma grande homenagem às raízes do cinema e, a despeito da definição do diretor Michel Hazanavicius e de seu orçamento de US$ 15 milhões, ele nada tem de modesto.

Hazanavicius parte de uma ideia simples e não inédita em Hollywood: narrar, da ascensão à ruina, a trajetória de uma estrela de cinema. O artista do título é George Valentin (Jean Dujardin), um astro do cinema mudo que, enquanto amarga o ostracismo, observa a decolagem de Pepy Miller (Berénice Bejo) rumo ao estrelato nos filmes falados.

Mais do que reconstruir a época – o longa passeia pelo nascimento dos filmes sonoros, registra a Grande Depressão de 1929 e vai até meados dos anos 30, quando o cinema começa a ganhar a definir sua linguagem, Hazanavicius é rigoroso ao reproduzir a estética cinematográfica da época, embora derrape com soluções fáceis no roteiro, como a inserção de humor nas cenas mais tensas.

O filme vale o ingresso: por seu humor ingênuo, belas atuações e trilha sonora que faz jus ao cinema dos anos 20. E a exibição com mais de uma hora de diálogos pautados por cartelas não é exatamente um problema.

Se o “O Artista” levar o Oscar em 26 de fevereiro, vai realizar um feito histórico. Mas a aposta ainda é arriscada, pois terá de brigar voto a voto com “A Invenção de Hugo Cabret”. Entre a homenagem ao cinema vinda da França e a produzida por Martin Scorsese, a academia pode optar, naturalmente, pela última. Isso não roubará os méritos do filme que apresenta ao espectador uma experiência cinematográfica em estado puro – ou, como já virou chavão entre os críticos, uma carta de amor ao cinema.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s