Mosteiro da Luz abriga o Museu de Arte Sacra

Há mais de 4 000 obras, entre imagens de santos, retábulos, oratórios, livros e moedas pontifícias

Inspirado em templos da Bahia e do Rio de Janeiro, Frei Antonio de Sant’Anna Galvão (1739-1822) projetou e fundou o Mosteiro da Luz, datado de 1774. Sua planta octogonal é uma característica que não fazia parte da arquitetura paulistana da época. A obra conseguiu se manter até hoje com uma das principais construções de taipa de pilão da cidade. Muito bem conservada, abriga ainda o Museu de Arte Sacra, com mais de 4 000 obras, entre imagens de santos, retábulos, oratórios, livros e moedas pontifícias (um dos mais importantes acervos de arte sacra no Brasil).

Por que ir: além dos atrativos arquitetônicos e do Museu de Arte Sacra, o que leva as pessoas ao mosteiro é o próprio frei Galvão. O primeiro santo genuinamente brasileiro, santificado em 2007, está enterrado no altar principal, local em que os fiéis costumam deixar flores e bilhetes. As pílulas “milagrosas” são o atrativo principal (a fila para conseguir os pacotinhos costuma ser numerosa, faça chuva ou sol).

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s