“Minha Felicidade” mostra uma Rússia embrutecida

Longa flerta com registro documental para compor um retrato atual do país

O diretor Sergei Loznitsa, nascido na Bielorrússia, na época ainda integrada à União Soviética, não poupa a plateia no intenso drama “Minha Felicidade”. Seu longa flerta com o registro documental — há, por exemplo, um extraordinário plano-sequência numa feira, no qual a câmera se aproxima de rostos, rugas e olhares das pessoas. Na trama, o caminhoneiro Georgy (Viktor Nemets) anda por estradas russas e depara com policiais corruptos em um país embrutecido por seu amargo passado.


+ Os melhores filmes em cartaz; salas e horários

Recolhe flagrantes tristes, como o do velho que perdeu a identidade depois da II Guerra e o de uma menina, prostituta por sobrevivência e vontade própria. Na segunda parte do enredo, o protagonista, inerte após ser atacado por ladrões, é explorado, inclusive sexualmente, por uma cigana. Esse retrato tenso e sem concessões encontra ironia no título, numa parábola unilateral da Rússia atual.

AVALIAÇÃO ✪✪✪

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s