Metroviários: eles param, nós sofremos

Greve no setor causa superlotação nas linhas de ônibus e novo recorde de trânsito

O paulistano enfrentou na quarta (23) mais um dia de caos por problemas no transporte público. Claramente política, a greve dos metroviários causou superlotação nas linhas de ônibus — alguns foram depredados — e contribuiu para um novo recorde de trânsito no período da manhã.

+ Protestos de caminhoneiros atropelam direito de ir e vir

+ Trânsito: o maior problema de São Paulo

Houve tumulto nas estações Corinthians-Itaquera (Linha 3-Vermelha) e Jabaquara (Linha 1-Azul). Uma mulher foi atingida por uma pedra e a polícia usou gás lacrimogêneo para dispersar uma manifestação que interditou a Radial Leste. A paralisação durou pouco mais de catorze horas e provocou, entre outros, os seguintes estragos:

249 quilômetros de lentidão registrados às 10 horas, recorde histórico para o período da manhã

2,2 milhões de passageiros ficaram sem transporte: 1,4 milhão do metrô e 850.000 da CPTM

42 milhões de reais deixaram de ser faturados pelos lojistas, segundo cálculos da Fecomercio

6,17% de reajuste salarial foi o índíce estipulado no acordo entre o sindicato de trabalhadores e o Metrô

 

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s