Justiça de São Paulo decreta a prisão de Gil Rugai

Estudante foi condenado a 33 anos de prisão por morte do pai e da madrasta em 2004

Condenado em fevereiro do ano passado a 33 anos e nove meses de prisão em regime fechado pela morte do pai e da madrasta, em 2004, o estudante Gil Rugai teve a prisão decretada nesta terça (4) pelo Tribunal de Justiça de São Paulo. A defesa do réu pediu a anulação do julgamento, o que foi negado por unanimidade pelos desembargadores do órgão. Com a decisão, Rugai, que não estava no plenário, pode ser preso a qualquer momento.

Segundo o advogado Marcelo Feller, um dos responsáveis pela defesa, o estudante irá se apresentar à Justiça. Ele não disse quando nem onde Rugai deve fazer isso, mas assegurou que o réu não pretende fugir. “Mandado de prisão é para ser cumprido. Gil já está ciente da decisão de hoje e não vai fugir. Aliás, em todas as ocasiões em que a Justiça solicitou sua presença, ele compareceu”.

+ Confira as últimas notícias da cidade

Feller, no entanto, afirmou que entrará com novo recurso nos órgãos superiores – Superior Tribunal de Justiça (STJ) e Supremo Tribunal Federal (STF) – contra a condenação de Rugai. De acordo com o advogado, os argumentos a serem apresentados agora deverão ser processuais, já que a fase de análise de provas se encerrou nesta terça.

“Uma das nossas alegações será o fato de uma testemunha surpresa ter sido ouvida no quarto dia de julgamento. Rudi Otto, ex-sócio de Gil Rugai, havia sido dispensado pela defesa, mas o juiz o convocou em juízo, com conhecimento apenas da acusação, e sua oitiva foi muito prejudicial.”

+ Chuva interrompe queda no Cantareira

Responsável pela acusação, o promotor de Justiça Rogério Leão Zagallo comemorou a decisão dos desembargadores e reafirmou que não existe qualquer vício no processo que permita a sua anulação.”O julgamento de hoje é o coroamento de um trabalho intenso e sério que começou em 2004 e de uma certeza do Ministério Público de que Gil Rugai é o autor dos fatos”, disse. 

Histórico

Há dez anos que Gil Rugai nega ser o autor dos disparos que mataram Luiz Carlos Rugai, seu pai, e Alessandra Troitino, madrasta, em 2004. O crime ocorreu dentro da residência do casal, em Perdizes, na Zona Oeste de São Paulo.

De acordo com a acusação feita pela Promotoria e aceita pelos jurados durante o julgamento do caso, o estudante cometeu os crimes por dinheiro. Luiz Carlos Rugai havia descoberto que o filho desviava recursos da empresa da família. Gil Rugai aguardava o julgamento do recurso em liberdade. Sua defesa não informou onde ele esteve durante esse período.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s