Jornal inglês escolhe os dez melhores bares de São Paulo

<em>The Guardian</em> fez lista dedicada aos turistas que virão à cidade assistir aos jogos da Copa; um dos endereços, porém, está fechado

Além de fãs de futebol que vêm assistir à Copa do Mundo, São Paulo receberá também uma leva de turistas que querem curtir a noite paulistana. Como bons amantes de cerveja, os ingleses devem aproveitar o jogo contra o Uruguai, em 19 de junho na Arena Corinthians, para conhecer os bares da cidade.

Pensando nisso, o site do jornal britânico The Guardian fez uma “Seleção Paulistana de Bares” para que os visitantes conheçam em sua passagem pela metrópole. Veja abaixo a lista de “convocados”, listados na mesma ordem que o periódico os listou.

Com exceção do Astronete e da Choperia Liberdade, todos os endereços já venceram algum prêmio na edição especial “Comer e Beber” de VEJA SÃO PAULO. 

São Cristovão: aos amantes do futebol, o periódico recomenda primeiro uma visita ao Museu do Futebol antes de ir à casa, decorada com mais de 3 500 itens mergulhados no universo do esporte. “Ele [o bar] proporciona uma aula gratuita da história do futebol brasileiro”, afirma o jornal.

Bar do Luiz Fernandes: recomendação para quem quer ir a um “autêntico boteco brasileiro”, o local é um marco da Zona Norte há quase 50 anos. O bolinho de carne acompanhado de cervejas Original ou Serramalte sobre as mesas são os elementos da combinação ideal, além dos eficientes garçons. “Um tripé ideal: ótima comida, cerveja gelada e boa gente. É muito difícil ir embora”, diz a matéria.

 

Empório Alto dos Pinheiros: segundo o Guardian, trata-se de uma opção para sair do óbvio. Com 400 rótulos de cerveja das mais variadas marcas, há ainda dez tipos de chope artesanal. Diz o periódico: “se você levar a sério as suas cervejas, este é santo graal do Brasil”.

Empório Alto dos Pinheiros

Empório Alto dos Pinheiros

Choperia Liberdade: os atrativos são muitos para quem gosta de um lugar fora do comum. Aquários e pisca-piscas unidos a mesas de sinuca e karaokê fazem do ambiente um maluco espaço para aproveitar a cerveja. “Alguns reclamam que frequentadores monopolizam o microfone, por isso você deve pensar duas vezes antes de se envergonhar no palco se não gosta de um tratamento à Simon Cowell”, recomenda o jornal.

Alberta #3: dedicada ao rock, com bons drinks no cardápio, a baladinha foi o vacilo na lista do Guardian. Isso porque, desde março de 2014, o lugar está fechado por tempo indeterminado. De acordo com a casa, há um “problema com a administração do condomínio”, mas VEJA SÃO PAULO apurou que há um entrave do estabelecimento com a prefeitura. Segundo o Alberta #3, o local reabrirá “em breve”.

Alberta #3

Alberta #3

Veloso: logo de início, o jornal faz uma importante ressalva: “se você não chegar logo após a abertura do bar, pode esquecer a ideia de se sentar”. Apontado como um dos principais bares da capital, famoso pelas coxinhas de frango e caipirinhas do mestre Souza, o Veloso é parada obrigatória na lista. “Depois de uma ou duas rodadas, você vai esquecer que estava na lista de espera para uma mesa, de qualquer maneira.”

Coxinha do Veloso

Coxinha do Veloso

Ó do Borogodó: o bar é conhecido por ter samba, pagode e chorinho como mote musical, o que desperta a atenção de quem está de passagem. Segundo o Guardian, trata-se de um dos únicos estabelicimentos paulistas que rivaliza com a cena sambista carioca. “Músicos e aficionados pelo ritmo estão sempre por lá, então turistas e estrangeiros sem o benefício do sangue latino são rapidamente expostos ao dançar (não se preocupe — é uma coisa boa).”

Ó do Borogodó

Ó do Borogodó

Frangó: colocado com um dos mais tradicionais bares da cidade, ganha destaque pelo cardápio repleto  de cervejas, com mais de 500 rótulos. É dado o destaque devido à porção de coxinhas de frango e ao ambiente aconchegante do lugar. “O interior cavernoso, repleto de cartazes vintage de cerveja e mesas de madeira, é um local fácil de se instalar para passar um bom tempo”, diz o jornal.

Frangó 2209

Frangó 2209

Astronete: pertence ao polo descolado e roqueiro de São Paulo, o Baixo Augusta. É lembrado pelo caráter eclético de sua trilha sonora e pelo misto entre bar e balada. “Vá cedo se você quiser conversar enquanto bebe seus drinques”, recomenda o Guardian. “Vá depois da meia-noite, se preferir ficar solto na pista.”

Astronete

Astronete

SubAstor: além de valorizar o ambiente intimista, a publicação ressalta as habilidades do mixologista italiano Fabio la Pietra, que prepara os drinques. “Não é um lugar barulhento — coquetéis vão junto com clássicos dos Rolling Stones — mas ótimo para expandir o seu paladar (e espremer sua carteira!).” 

Ambiente do bar SubAstor, na Vila Madalena - Fernando Moraes

Ambiente do bar SubAstor, na Vila Madalena – Fernando Moraes

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s