Dupla é presa por tatuar ‘sou ladrão e vacilão’ na testa de menor

Os criminosos gravaram a ação, em que escrevem na testa do jovem que teria tentado furtar uma bicicleta

Na noite da última sexta (9), o tatuador Ronildo Moreira de Araújo, 29 anos, e seu vizinho Maycon Wesley Carvalho dos Reis, 27 anos, foram presos no centro de São Bernardo do Campo. Acusados de tortura, foram levados à delegacia por tatuarem à força a testa de um garoto de 17 anos.

Os criminosos justificaram a ação como uma punição ao menor, que havia tentado furtar uma bicicleta. Por isso, gravaram e compartilharam o vídeo em que o tatuador escreve “eu sou ladrão e vacilão” na testa do jovem.

A família do adolescente foi à delegacia com o vídeo em mãos para tentar encontrar o garoto, que continua desaparecido desde 31 de maio. Segundo eles, o menor é usuário de drogas e não estaria gozando de suas plenas faculdades mentais.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Ricardo Andrioli Fogaça

    É triste que meios de comunicação gozem de tamanha liberdade de expressão sem qualquer imparcialidade e responsabilidade, propagando uma total inversão de valores em nossa sociedade.
    Não concordo com o que foi feito ao criminoso, o mesmo deveria ser punido de acordo com a lei, porém tratar o mesmo somente como “menor” ou “adolescente” não condiz com sua condição de quem tentou praticar um furto, ou seja, cometer um crime. Este tipo de escrita mostra claramente o desserviço que a imprensa tem feito a população, pregando uma inversão de valores onde os criminosos são as vítimas.
    O título da matéria poderia ser “Vitímas tatuam testa de bandido em tentativa de assalto”