Google Street View começa a mapear cemitérios paulistanos

Depois de mapear quase 100% das ruas da capital, a ferramenta aposta em locais públicos

Assim que o engenheiro Tomás Nora passa pelo número 666 da Avenida Doutor Arnaldo e põe os pés no Cemitério do Araçá, na Zona Oeste, dois gatos pretos cruzam seu caminho e baratas escondem-se nas tumbas, enquanto ele caminha a passos lentos. Leva nas costas os 20 quilos de uma mochila com um aparelho chamado trekker. Trata-se de uma colmeia de quinze câmeras, apontadas para diversas direções do terreno. Por ali, há 29 000 sepulturas em 222 000 metros quadrados. Depois de cinco dias de trabalho, realizado no começo deste mês, deu por encerrada a missão de capturar as imagens de cada alameda do local. A ideia é desbravar por aqui a mais nova fronteira do Google Street View, ferramenta com a qual o gigante da internet permite passeios virtuais por cidades ao redor do mundo. Em São Paulo, a tecnologia lançada em 2007 expandiu-se, aos poucos, por praticamente 100% das ruas, incluindo favelas e até estádios. A coisa continua avançando, já que o objetivo é estar em todos os lugares públicos. 

Google Street View

Google Street View

+ Dois pedestres morrem por dia em São Paulo

+ Apartamentos de luxo têm vaga até para Ferrari

Seguindo essa lógica, faltava ainda mapear os cemitérios.“Além de serem locais que sempre atraem muita curiosidade, muitos têm valor cultural, porque abrigam  obras de artistas como Eugenio Prati e Victor Brecheret”, explica Nora, coordenador-geral do projeto. As imagens do Araçá deverão estar disponíveis no site até o fim deste mês. Durante a captação, foi preciso aguardar enterros e velórios, de modo a evitar situações mórbidas, o que atrasou o processo. A produção envolveu uma dupla de operadores além de Nora. Houve dificuldades na hora de escalar o time. “Não é todo mundo da equipe que gosta de passar dias inteiros em meio às tumbas”, diz o engenheiro. Próximas paradas: cemitérios da Consolação e São Paulo (em Pinheiros).

Passo a passo

Como é feita a captação de imagens em lugares ondenão se pode entrar de carro

> O operador carrega um trekker, conjuntode quinze câmeras capaz de capturar 360 fotos por minuto

> Por meio deum aplicativo nocelular, ele monitorao resultado e refazo que está ruim

>Duas antenas transmitem ascoordenadas por GPS, o que ajudaa identificar as fotos

> Um programa unificaas imagens em um cenário de 360 graus e desfoca rostosautomaticamente

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s