As inusitadas gangues de São Paulo

Idosas, loiras e crianças formam grupos para cometer crimes na cidade

Nos últimos meses, os paulistanos acompanharam a proliferação de inusitados grupos de ladrões, seja pelas características dos integrantes, seja pelo modo de ação, como arrebentar vitrines com um veículo.

Gangue das vovós: há duas semanas, um trio de senhoras furtou mercadorias de uma padaria de Moema e surrupiou o cartão de crédito da bolsa de uma cliente.

Gangue das loiras: na ativa desde 2008, as seis mulheres (só uma morena) se especializaram em sequestros-relâmpago.

Gangue das garotas: cerca de quinze crianças promoveram arrastões no comércio da Vila Mariana até o fim do ano passado.

+ Restaurantes paulistanos reforçam vigilância para combater quadrilhas

+ Levantamento mostra que muitos paulistanos sentem medo na cidade

Gangue da marcha a ré: destruiu vitrines de lojas com a traseira de carros para levar produtos.

Gangue do Rolex: por três anos, a quadrilha cooptou menores de idade para roubar relógios de luxo e celulares no Itaim; foi presa em 2011.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s