“Ninguém veio me buscar”

Ao atravessar o portão do presídio, Silvan Santos rapidamente trocou o sorriso por um semblante amarrado

Quando passou pelo portão do complexo Belém 2, na Zona Leste, na segunda-feira 11, Silvan Santos rapidamente trocou o sorriso por um semblante amarrado. “Ninguém veio me buscar”, lamentou ele, de longe o mais calado dos egressos acompanhados pela reportagem. “Deveriam ter acompanhado meu processo”, continuou. Referia-se à família, que mora em Guarulhos? “Também”, falou, encerrando o assunto. Silvan foi preso em 2006, por homicídio. Ele diz que, na ocasião, tentava defender um irmão, jurado de morte. Questionado sobre a nova vida, antes de tomar o ônibus rumo à casa da mãe, respondeu, lacônico: “Nada me anima”.

+ Presos experimentam o primeiro dia de liberdade

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s