Empresa no centro produz peças de neon há sessenta anos

Com a decadência dos letreiros luminosos, loja sobrevive com média de duas encomendas por dia

Um tubo de vidro eletrificado que emite luz colorida em contato com gás neônio. Associado a letreiros comerciais, o neon viveu seu auge por aqui a partir da metade do século XX. Nos anos 80, cerca de vinte estabelecimentos na capital dedicavam-se exclusivamente à criação dos luminosos. Logo a seguir, no entanto, a moda passou e a procura reduziu-se drasticamente.

+ Férias: as vinte melhores opções da capital para as crianças em julho

Uma das empresas sobreviventes do setor é a Neon 3 Estações, que tem sessenta anos de história e está instalada em uma sala de 150 metros quadrados na Rua General Osório, no centro.

“Depois da década de 90, os pedidos foram diminuindo e, com a Lei Cidade Limpa, a situação se agravou”, diz um dos donos, Edvar Ferreira. Atualmente, o negócio sobrevive com uma média de duas encomendas diárias, sobretudo peças de decoração para casas noturnas, bares e eventos (veja abaixo alguns exemplos). Um maçarico a 200 graus é usado para retorcer o vidro, antes da introdução do gás, em um processo que leva duas horas.

 

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s