Cracolândia: vitórias, tropeços e desafios da megaoperação

Chamado de Redenção, programa de Doria começou com tumulto, bombas e muita gritaria no centro

As 7 horas do domingo (21) a arrumadeira Antonia Neuma de Moura ouviu um estrondo vindo da entrada da pensão onde mora há doze anos com dois filhos e dois sobrinhos, no Largo Coração de Jesus, no centro. Era a polícia iniciando uma megaoperação na Cracolândia. “Sai, sai”, ouviu dos homens armados no momento em que acordava com os chutes nas portas do local. “Foi um susto enorme”, lembra.

Houve corre-corre nas imediações e gritaria por causa do uso de bombas de gás lacrimogêneo. Cerca de 900 policiais faziam uma varredura em outros imóveis e, ao lado de funcionários da prefeitura e de máquinas retroescavadeiras, desmantelavam as barracas de lona armadas na Rua Helvétia e na Alameda Dino Bueno.

Nesses abrigos utilizados como residência improvisada pelos viciados também ocorria o “feirão das drogas”, sob o controle de bandidos do Primeiro Comando da Capital (PCC). Ali, os criminosos sentiam-se em casa e expunham suas mercadorias sobre mesinhas de metal.

Alameda Dino Bueno, na segunda, 22: sem o “feirão das drogas” (Leo Martins/Veja SP)

Segundo cálculos de profissionais do Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc), o comércio movimentava por mês 600 quilos de entorpecentes, o que gerava um faturamento de 8,4 milhões de reais. No fim da manhã do domingo, as autoridades festejavam o resultado da iniciativa.

Na ação, 53 pessoas foram presas, incluindo 48 traficantes, e apreenderam-se 12,3 quilos de crack e três fuzis. Geraldo Alckmin e João Doria acompanharam de perto a movimentação e comemoraram o êxito do trabalho, ressaltando a ausência de feridos e de confrontos mais graves. “A Cracolândia acabou”, afirmou o prefeito.

Marcos Zambuzi, em meio a destroços no seu quarto: “Senti que minha vida não valesse nada” (Leo Martins/Veja SP)

Ao longo do mesmo dia, entretanto, foram surgindo sinais claros de efeitos colaterais da intervenção. Dos cerca de 800 usuários retirados do fluxo, nome que se dá ao aglomerado de dependentes que circulam pelas ruas da região, pouco mais da metade recebeu abrigo emergencial no Complexo Prates e no Centro Temporário de Acolhimento (CTA), inaugurado no início de maio por Doria.

Foram internados, ainda, sessenta usuários no Centro de Referência de Álcool, Tabaco e Outras Drogas (Cratod) e na unidade do Programa Recomeço, do governo estadual, na Rua Helvétia, e outros 24 na Casa de Saúde São João de Deus, na Vila Jaraguá.

Policiais invadem a área: gritos e bombas (Werther Santana/Estadão Conteúdo/Veja SP)

Os demais se espalharam pela vizinhança e seguiram consumindo drogas. Na segunda (22), a confusão tinha aumentado. Com medo de arrastões e saques, os comerciantes deixaram as lojas fechadas ou trabalharam a meia-porta. Houve tentativas de invasão de estabelecimentos e furtos a pedestres. Aos poucos, uma nova Cracolândia surgiu na Praça Princesa Isabel.

Em mais uma visita à região, Doria amenizou o discurso da véspera. “Do ponto de vista físico, a Cracolândia acabou e não volta mais”, disse. “Agora, o atendimento e o combate ao tráfico são ações contínuas, policial e medicinal.” Na última campanha eleitoral, o prefeito elegeu a recuperação do centro como uma de suas prioridades e bateu firme na política do antecessor, Fernando Haddad, que implementara por ali o De Braços Abertos.

Escavadeira em ação: depois dos problemas, a Justiça proibiu novas demolições (Leo Martins/Veja SP)

Baseado na ideia de redução de danos, o projeto oferecia abrigos em pensões e remuneração aos viciados em troca de serviços como o de varrição. Na prática, as moradias foram destruídas por roubos e furtos promovidos por seus ocupantes e boa parte dos inscritos só aparecia no dia do pagamento. Com mais dinheiro circulando na área, o preço do crack aumentou.

Doria prometeu acabar com o negócio e, no lugar, implantar outro programa, o Redenção. Nos últimos meses, a equipe do prefeito vinha discutindo com o Ministério Público a implementação da ideia, que previa, de forma gradativa, cadastrar usuários, desapropriar imóveis irregulares e criar serviços ambulatoriais para atendimento, entre outras medidas.

Quando tudo ficasse pronto, haveria uma intervenção final conjunta com o governo estadual na área. No último dia 12, Alckmin concedeu entrevista na qual dizia que iria ocorrer uma operação grande no lugar. Um trabalho de investigação do Denarc, no entanto, apressou a chegada da polícia ao local.

Fábio Lucas dos Santos: líder do comércio de crack no centro (Adriana Farias/Veja SP)

Segundo grampos telefônicos realizados com autorização da Justiça, os traficantes do PCC já estavam se preparando para reagir à altura. “Falar, todo mundo fala. Quero ver fazer acontecer”, diz um bandido em um dos áudios, obtido com exclusividade por VEJA SÃO PAULO. “Os irmãos falaram que é para meter bala de doce”, completa o criminoso, referindo- se a ordens dos comandantes do grupo. A expressão “doce” é gíria para chumbo grosso.

Diante disso, tomou-se a decisão de agir rápido. A prefeitura teve de correr atrás para enviar os caminhões de lixo e as retroescavadeiras ao local. Elas iniciaram as primeiras demolições no espaço em pleno fim de semana da Virada Cultural. Em público, autoridades da prefeitura e do governo estadual garantiram que tudo fora alinhado com antecedência entre as partes.

Nos bastidores, porém, integrantes da equipe de Doria dizem que o aviso do dia “D” chegou apenas alguns dias antes e reclamam de que a implementação do Redenção, que deveria ocorrer aos poucos, precisou ser acelerada. Os resultados da pressa ficaram evidentes.

Policiais e suspeitos durante abordagem: 48 traficantes detidos desde domingo, 21 (Marcelo Gonçalves/Estadão Conteúdo/Veja SP)

No Complexo Prates, no Bom Retiro, pessoas vindas da Cracolândia não foram bem recebidas pelos residentes mais antigos, e houve quem optasse por retornar às ruas. Moradores e comerciantes que ocupavam imóveis incluídos na lista negra da prefeitura tiveram de abandonar esses lugares em poucas horas.

Na terça (23), no início da demolição de um desses endereços, o operador de uma retroescavadeira recebeu a ordem de pôr abaixo uma parede, sem saber que havia ali dentro dez pessoas. Uma delas era Marcos Francisco Zambuzi, que descansava em seu quarto quando foi surpreendido. Os destroços voaram em sua direção, e ele ficou com o tornozelo direito machucado. “Senti como se minha vida não valesse nada”, conta.

Ele, que pagava uma diária de 20 reais para ficar ali, faz bicos de eletricista para sobreviver e sustentar o vício. “Perdi praticamente tudo o que eu tinha, só recuperei meu RG, uma muda de roupa que estava no varal e minha caixa de som com três baterias.”

Doria e Alckmin: harmonia em público e desconforto nos bastidores (Renato S. Cerqueira/Estadão Conteúdo/Veja SP)

Sem ter para onde ir, Marcos e os vizinhos retornaram no dia seguinte para o mesmo endereço e passaram a dormir em colchões esticados num espaço do imóvel que ficou intacto.

Para os responsáveis por essa ação, o desastre aconteceu porque os moradores desobedeceram aos avisos de alerta. “Foi isolado o terreno, foi passada a fita, foi removida a energia elétrica, foi informado à população o que seria feito.

Só não nos demos conta de que havia uma entrada clandestina no fundo que dava acesso ao local onde essas pessoas estavam”, disse Marcos Penido, secretário municipal de Serviços e Obras.

A Defensoria Pública obteve na quarta (24) uma liminar que proíbe novas remoções e demolições do tipo, sem que sejam tomados cuidados mínimos.

Nildes Nery: “Eles precisam de alguém que lhes dê atenção e carinho” (Leo Martins/Veja SP)

A prefeitura diz que não vai recorrer da decisão. Na noite do mesmo dia, a secretária municipal de Direitos Humanos, Patricia Bezerra, entregou o cargo, depois de classificar de “desastrosa” a ação da prefeitura na Cracolândia.

Não é a primeira vez que se faz uma intervenção espetacular nessa área. Em 2015, por exemplo, na gestão de Fernando Haddad, a Guarda Civil baixou na Praça Júlio Prestes para retirar a “favelinha”, o apelido da aglomeração de barracas montadas na região.

Os usuários de drogas reagiram com pedradas, atearam fogo em latas de lixo, e duas pessoas ficaram feridas. A GCM retirou as cabanas. Haddad parabenizou a ação e afirmou que 126 dependentes haviam sido cadastrados no Braços Abertos. Quatro meses depois, as lonas voltaram a ser erguidas na Alameda Dino Bueno, a poucos metros do antigo local.

Na recente operação de Doria e Alckmin, pela primeira vez, conseguiu- se a prisão de um número grande de traficantes. A investigação levou oito meses e resultou em um inquérito de 3 500 páginas. Segundo o Denarc, o peixe mais graúdo apanhado na operação é Fábio Lucas dos Santos, apontado como uma das lideranças do PCC e tido como o responsável por coordenar o mercado de crack no centro.

O engenheiro Torres: “Ninguém aguentava mais o cheiro de crack” (Leo Martins/Veja SP)

Com quatro passagens pela polícia por tráfico, receptação, furto e adulteração de chassi de veículo, Santos acabou preso na manhã de domingo (21), com 300 gramas de cocaína, em sua residência, num condomínio fechado em Caraguatatuba, no Litoral Norte, comprada com o pagamento à vista de uma entrada de 100 000 reais em dinheiro.

Para os investigadores, ele chefiava de longe a operação na Cracolândia, o que o preso nega. “Fui batizado pelo PCC em 2008, comandei o estado, mas não tenho nada a ver com aquilo lá”, disse a VEJA SÃO PAULO na segunda (22), em uma sala no Denarc, enquanto aguardava transferência para o CDP Pinheiros. “Agora eu ‘tô’ fora do partido, fui expulso recentemente”, completou.

Leonardo Monteiro Moja, vulgo “Leo do Moinho”, considerado o número 2 do PCC na Cracolândia (Adriana Farias/exclusivo/Polícia Civil/Veja SP)

Os grampos telefônicos realizados pela polícia, no entanto, contêm diálogos em que Santos dá ordens relativas à distribuição de crack aos seus funcionários no centro. O número 2 do tráfico no pedaço também foi detido na operação. Leonardo Monteiro Moja, o Leo do Moinho, estava em sua residência, na Zona Leste.

Ele é dono de uma pensão nas redondezas da Cracolândia e suspeito de envolvimento na morte do socorrista Bruno de Oliveira, que havia entrado no fluxo no início de maio para resgatar uma mulher de 27 anos a pedido da mãe da jovem.

O médico Gilmar de Almeida Santos, que presta serviços para a prefeitura na Cracolândia: ele diz que lixão acumulado na área devido ao tráfico propagava doenças (Leo Martins/Veja SP)

Depois da denúncia do desaparecimento de Bruno e de quatro dias de buscas, seu corpo foi encontrado no centro, com vários ferimentos e mãos e pés amarrados com fitas. “Confundiram o Bruno com um policial por causa de um documento do Corpo de Bombeiros que ele tinha na carteira”, diz Osvany Zanetta, delegado titular do 3º Distrito Policial de Campos Elíseos, responsável pelo caso.

A prova mais robusta contra Leo é a interceptação de um diálogo no qual o traficante decide o local onde o socorrista será morto na Favela do Moinho, que fica a dois quarteirões da Cracolândia. De acordo com o Denarc, o PCC assumiu o comando da área em 2013.

O atirador Anderson Alves responsável por fazer a segurança da área para o PCC: desertor do Exército (Adriana Farias/exclusivo/Polícia Civil/Veja SP)

Para monitorar a região, o grupo tinha três seguranças armados, incluindo o atirador profissional Anderson Alves, que é desertor do Exército e ainda não foi preso. Ele dava “expediente” na cobertura dos hotéis da área ou nos andares mais altos dos prédios. Em foto encontrada pela polícia em sua rede social, Alves aparece em uma postagem chamando sua metralhadora de “Lurdinha”, ao lado de um pit bull.

A policial militar Roseane Beserra promovia semanalmente um grupo de oração que chegava a reunir 100 pessoas, porém traficantes passaram a impedir a ação (Leo Martins/Veja SP)

Com a chegada do PCC, o tráfico ficou mais pesado e profissional na Cracolândia. Os antigos caixotes improvisados deram lugar ao “feirão das drogas”. A venda de entorpecentes dobrou no período, atraindo mais consumidores. O fluxo cresceu de 300 para 800 pessoas nas manhãs, com picos de 1 200 à noite.

Houve também um aumento de 56% na quantidade de furtos e roubos no entorno. “Os criminosos passaram a usar os dependentes químicos como escudo e os insuflavam contra a polícia”, diz Ruy Ferraz, diretor do Denarc.

Profissionais de saúde que atuam na área notaram uma mudança de comportamento importante dos usuários. “Eles foram acolhidos pelo PCC e ficaram ainda mais arredios a aceitar tratamento”, afirmou um deles a VEJA SÃO PAULO, com a condição de não ser identificado.

A exemplo do que ocorreu em ocasiões anteriores, as autoridades prometem não arredar pé da área e prosseguir no combate ao crime e no atendimento aos usuários. Na sexta, 26, a Justiça deferiu o pedido da prefeitura para internar compulsoriamente os casos mais graves de dependentes, após avaliação de uma equipe médica multidisciplinar e autorização de um juiz. A medida vale por trinta dias.

Sem ter para onde ir, o usuário de drogas Marcos Zambuzi retornou para imóvel que foi parcialmente destruído pela prefeitura (Leo Martins/Veja SP)

Ao mesmo tempo, Doria trata de tirar do papel as etapas previstas do Redenção. As ações do poder executivo municipal receberam críticas duras. “É o pedido mais esdrúxulo que vi em toda a minha vida”, afirmou o promotor da Saúde Arthur Pinto Filho, referindo- se à questão da internação compulsória. “É uma caçada humana que não tem paralelo no mundo.”

Ainda que alguns dos atropelos recentes mereçam mesmo fortes e indignadas objeções, a gritaria exagerada desvia o foco do principal: não há mais como uma cidade civilizada conviver com as cenas do “feirão das drogas” e o estado de abandono dos dependentes.

Chegou-se a um ponto em que a coleta de lixo foi interrompida no local porque os empregados das companhias de limpeza tinham medo de pôr o pé no lugar. Nem mesmo a polícia comunitária conseguia fazer seu trabalho. A cabo Roseane Beserra promovia semanalmente um grupo de oração que chegava a contar com 100 pessoas. “De dezembro para cá, as reuniões foram proibidas pelos traficantes”, revela. “Os bandidos não deixavam mais ninguém chegar perto da gente.”

Para a maioria dos paulistanos, o que interessa agora é que medidas práticas possam ser tomadas de forma a não repetir os erros dos últimos dias e que as autoridades persistam nos planos de combate ao crime e de desenvolvimento de programas sociais e de saúde mais eficazes.

Crianças jogam bola em frente ao Largo Coração de Jesus, uma cena inimaginável até poucos dias atrás (Leo Martins/Veja SP)

Ninguém que conhece de perto essa realidade tem a ilusão de que o problema será resolvido a curto prazo. “Tudo de que eles precisam é alguém que lhes dê atenção e carinho e não os deixe em um canto”, diz a pastora Nildes Nery, fundadora da ONG Ação Retorno e com um trabalho de quase catorze anos dedicado aos moradores de rua e usuários de drogas.

“Vamos ver se o atendimento clínico na rua melhora, pois antes era difícil circular com todas aquelas barracas e o lixão propagava doenças”, afirma o médico Gilmar de Almeida Santos, da Associação Saúde da Família, entidade que presta serviços ao município.

O engenheiro Flávio Torres, dono de três casarões nas redondezas, sonha com uma mudança radical no panorama. “A gente não aguentava mais sentir o cheiro de crack pela janela”, diz. “Tomara que resolvam mesmo essa situação.”


LUTA SEM FIM
Várias ações foram tentadas na região, mas não resolveram o problema

Fevereiro de 2010
A Polícia Civil, sob o comando do governador José Serra, prendeu 300 pessoas próximo à Estação da Luz. A maior parte dos detidos acabou voltando às ruas logo depois.

Janeiro de 2012
Após a Polícia Militar expulsar o “fluxo” da Rua Helvétia, viciados passaram a perambular por outras vias do centro.

Abril de 2015
Depois de a gestão Haddad retirar barracas em uma “favelinha” na Praça Júlio Prestes, usuários reagiram atirando pedras e ateando fogo em latas de lixo. Duas pessoas acabaram feridas. Quatro meses depois, a “favelinha” ressurgiu em um ponto próximo do local original.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Social Democrata Nem Direita Nem Esquerda

    Continue firme prefeito João Dória. Acabe com essa vergonha a céu aberto e dê uma chance de vida para esses pobres coitados que são “amparados” por ong’s esquerdinhas que nada fazem a não ser usar a situação para se darem bem.

  2. Marcio Lacerda

    Esses viciados não trabalhavam e mesmo assim gastavam 8,4 milhões mês, consumindo 600 quilos de drogas? De onde vinha tanto dinheiro? E quanto as ONGS defensoras desses viciados lucravam?

  3. Jamais um paulistano de bem irá deixar de apoiar a iniciativa do prefeito João Dória de, finalmente, enfrentar essa vergonha que era a cracolândia no coração de São Paulo. Não será tarefa fácil mas é importante persistir e não desistir. O povo o apoia prefeito!

  4. Edson Laerte Ev

    Isto mesmo São Paulo não merece essa escória.

  5. A FSP diz que “em operação descoordenada da policia de São Paulo, LIGADA AO GOVERNO DO ESTADO” ….. Nunca li uma coisa dessas “policia ligada ao GOVERNO DE ESTADO”.A Folha de São Paulo poderia muito bem se mudar para o NORDESTE. O Alckmin é bu…dão mesmo. Tem que processar um jornaleco desse.

  6. Alex Cardozo

    Tem que acabar com essa imundice, é um absurdo que um grupo de amorais e sem noção sejam a favor destes bandidos e da Cracolandia. Infelizmente o CRP e os direitos humanos estão do lado errado, do lado de criminosos e drogados que espalham o crime e o terror no Centro de SP. Tem que derrubar tudo mesmo rua não é lugar de morar e nem de noias.

  7. José Antonio Debon

    Sim a prefeitura tem que retirar toda essa gente drogada das ruas e confinar em um ambiente que impeça o contato com os traficantes e depois os caras das ONG´s e dos direitos humanos que se virem e se responsabilizem pelos drogados que eles defendem.

  8. Social Democrata Nem Direita Nem Esquerda

    Essa “ong” A Craco Resiste, deveria ser investigada a fundo. Impossível existir um grupo que deliberadamente, afronta a ordem pública e é conivente com as drogas. E saber de onde vem “verbas” para seus integrantes.

  9. Maurício Cavalieri Machado

    Não se enganem. Quase com certeza as ONGS são de bandidos também. Pode ser que existam inocentes uteis juntos, mas a devassa deve ser geral e a remoção física e demolição são essenciais, claro. Vergonhosa a postura de promotores, “ONGS” (gangs), “defensores” de direitos humanos (devem receber mesada do tráfico, como já demonstrado em outros casos)e até mesmo de entidade médica de SP. Peçam pra sair.