Greve dos motoristas provoca congestionamento recorde

Manifestantes fecharam quinze terminais; prefeito entregará dossiê sobre o caso para o Ministério Público 

Quinze terminais de ônibus fechados, estações de metrô superlotadas e muito trânsito. Este é o balanço da greve dos cobradores e motoristas que surpreendeu os paulistanos e, até mesmo, o sindicato da categoria e a prefeitura nesta terça-feira (20). Por causa da paralisação, o rodízio de veículos foi suspenso e, às 19 horas, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) registrou 261 quilômetros congestionados, recorde de lentidão no ano.

+ Protesto de professores interdita vias da cidade

Em entrevista coletiva no início da noite desta terça-feira (20), o prefeito Fernando Haddad disse que os manifestantes não avisaram ninguém o ato. “Fomos surpreendidos.” Segundo Haddad, a prefeitura ainda tenta identificar os organizadores e as motivações, já que até o presidente do sindicato também não sabia da ação.

+ Policiais devem paralisar as atividades nesta quarta

Com isso, ninguém sabe se a paralisação continuará nesta quarta-feira (21). Jilmar Tatto, secretário de transporte, informou que a prefeitura prepara um dossiê para entregar ao Ministério Público para que o caso seja investigado.

Ação surpresa

Sem o conhecimento do sindicato da categoria, alguns motoristas e cobradores suspenderam as atividades desde a manhã desta terça-feira. Terminais foram bloqueados e muitos ônibus ficaram estacionados formando filas em vias da cidade, como na Avenida Professor Francisco Morato.

 

Segundo a SPtrans, os manifestantes fecharam os terminais Amaral Gurgel, Bandeira, Barra Funda, Butantã, Casa Verde, Lapa, Mercado, Pinheiros, Pirituba, Princesa Isabel, Sacomã, Santana, Cachoeirinha, Dom Pedro e Varginha.

Apesar do metrô não registrar problemas nas estações, usuários encontraram movimento acima do normal no início da noite desta terça-feira. Muitos divulgaram fotos das plataformas cheias nas redes sociais. Na Estação Pinheiros, por exemplo, passageiros não conseguiam passar pelas catracas por volta das 18h30. Muitos desistiram e ficaram sentados na calçada aguardando a situação melhorar. 

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s